Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Viagens: 40% dos bilhetes de avião cancelados em Portugal sem reembolso

29 jun, 2021 - 16:37 • Lusa

Dados do Tribunal de Contas Europeu referem que 5,5 milhões de bilhetes foram cancelados no ano passado em sequência da pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Cerca de 5,5 milhões de bilhetes de avião foram cancelados em 2020 por companhias aéreas que operam em Portugal, dos quais 40% dos passageiros não foram reembolsados em dinheiro porque receberam vales, aguardam resolução ou ficaram sem solução.

Os dados são do Tribunal de Contas Europeu (TCE), que num relatório hoje divulgado conclui que "os direitos dos passageiros dos transportes aéreos na União Europeia ficaram em terra durante a pandemia" de covid-19, nomeadamente em Portugal, devido aos sucessivos cancelamentos e restrições.

No que toca ao país, os dados do TCE revelam que, em 2020, foram cancelados 5,5 milhões de bilhetes pelas principais transportadoras que operam em Portugal, afetando cerca de "87% dos passageiros de voos de ou para Portugal".

Do total de bilhetes cancelados em Portugal, o TCE aponta que perto de 60% (3,3 milhões) foram reembolsados em dinheiro aos passageiros no decurso do ano de 2020.

Porém, outros 28% (1,6 milhões de bilhetes) foram convertidos em vales para uso posterior, "sem garantia de que os passageiros estivessem de acordo", enquanto cerca de 5% (mais de 300.000 bilhetes) estavam sem resolução até ao final do ano passado e quase 7% (360.000 bilhetes) diziam respeito a casos em que os passageiros não reclamaram o reembolso nem encontraram uma possibilidade de reencaminhamento.

Estes últimos diziam nomeadamente respeito a bilhetes de companhias aéreas de baixo custo, que devido ao preço reduzido levaram a que os passageiros não procurassem solução.

No que toca aos prazos para reembolso dos bilhetes em Portugal, o TCE assinala que variaram em função da companhia aérea, sendo que "aumentaram exponencialmente após março de 2020", atingindo um pico entre junho e setembro (entre 31 e 59 dias).

Entre setembro e dezembro estes prazos de reembolso "começaram gradualmente a regressar à normalidade", aponta o tribunal.

Annemie Turtelboom, membro do tribunal responsável pelo relatório, afirma em entrevista à agência Lusa que, "em fevereiro de 2021 as companhias aéreas em Portugal comunicaram que já estavam a reembolsar os bilhetes aéreos entre dois e 20 dias após o cancelamento" dos voos.

Os dados citados pelo TCE no relatório foram transmitidos pela Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) de Portugal, tendo ainda em conta entrevistas e inquéritos realizados a federações e associações, bem como informações da Comissão Europeia.

Porém, nem todas as autoridades nacionais forneceram dados ao tribunal, o que segundo Annemie Turtelboom leva a que "não seja possível comparar" países.

"O nosso problema é que, embora tenhamos pedido aos organismos nacionais e às organizações de consumidores porque queríamos uma boa visão do número de passageiros que ainda necessitam de ajuda, muitas vezes estes dados estão incompletos", adiantou.

Ainda no documento é mencionado que o Gabinete Europeu das Uniões de Consumidores comunicou 122 mil reclamações sobre esta temática em Portugal, Alemanha e Espanha, enquanto a Federação Europeia de Passageiros informou que, em quatro Estados-membros (Bélgica, Alemanha, Espanha e Portugal), foram enviadas 72.500 reclamações a organizações nacionais de defesa do consumidor.

A legislação europeia dita que, perante voos cancelados, os passageiros têm direito a escolher entre um reembolso em dinheiro até 14 dias ou encaminhamento para o destino.

Cabe aos organismos nacionais assegurar o cumprimento pelas regras comunitárias e, em ultima instância, a Comissão Europeia pode aplicar procedimentos de infração.

Annemie Turtelboom adianta à Lusa que "já em 2013 a Comissão queria reforçar os direitos dos passageiros", tendo sido os Estados-membros a bloquear no Conselho uma revisão da legislação relativa aos direitos dos passageiros aéreos.

"A proposta de 2013 não teria resolvido todos os problemas, mas teria resolvido uma série de problemas", conclui, esperando agora avanços neste dossiê.

Dezenas de milhões de passageiros europeus tiveram voos cancelados no espaço comunitário entre março de 2020 e março de 2021.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos
    08 jul, 2021 Lisboa 13:02
    Uma autentica vergonha de companhia aérea! Jamais voltarei a voar com a TAP, após mais de 100 voos comerciais em mais de 10 anos, por me terem deixado sem mais de 1700 eur de um voo, marcado por motivos profissionais, de Lisboa para Toronto em Março de 2020!!! Ainda hoje ,Julho de 2021, aguardo resposta aos meus 13 contactos telefónicos que ficaram sem resposta, assim como aos meus 8 emails para os contactos de email alternativos que TAP disponibiliza a passageiros, pois não dispõe de qualquer contacto de email para suporte a clientes (propositadamente). Mais revoltante ainda é saber que o nosso governo ainda tem o descaramento de usar dinheiro de todos os contribuintes, como o meu, para salvaguardar empresas como estas, que desrespeitam leis e ainda por cima direitos dos seus própios passageiros de nacionalidade Portuguesa!

Destaques V+