Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

86 famílias por dia pedem ajuda para pagar as suas dívidas

31 out, 2017 - 06:47

Os pedidos de ajuda aumentaram e mais metade das famílias portuguesas não consegue fazer uma poupança mensal. Saiba como manter um orçamento equilibrado.

A+ / A-

Em média, 86 famílias pediram ajuda à associação de defesa do consumidor Deco este ano. Até ao dia 25 de Outubro, a Deco recebeu 26.080 pedidos de ajuda – mais 50 pedidos do que em igual período do ano passado. Os dados foram divulgados esta terça-feira pela associação.

Do total de pedidos de ajuda, apenas dois mil estão a ser acompanhados pela associação. Nos restantes, já não era possível intervir, até por motivos legais.

Os 2.001 processos abertos este ano, e em que a Deco é mediadora, representam mais 16 do que aqueles a que a associação deu acompanhamento até finais de Outubro de 2016.

Burla e fraude entre as causas para o sobreendividamento

Segundo os dados divulgados esta terça-feira pela associação, o desemprego mantém-se em primeiro lugar nas causas que motivaram o sobreendividamento, tendo sido referido em 30% dos casos.

A deterioração das condições de trabalho motivou 23,4% dos pedidos. Aqui, “estamos a isolar uma causa que tem a ver com as pessoas que estão a passar à reforma e que estão a sofrer cortes substanciais”, indica à Renascença Natália Nunes, do Gabinete de Apoio ao Sobreendividado da Deco.

“O novo rendimento, proveniente da reforma – e muitas vezes esta passagem à reforma deveu-se a uma situação de desemprego de longa duração – não permite às pessoas honrar os compromissos que assumiram”, explica.

Seguem-se depois execuções/penhoras, o divórcio/separação e as doenças/incapacidade, com 10% cada.

Mas há uma nova origem do sobreendividamento das famílias: a burla e a fraude, “já responsável por 1,6% das situações”.

“Tem a ver muito com algumas entidades que existem no mercado e que se aproveitam das pessoas, nomeadamente, das pessoas em situação de dificuldade, prometendo-lhes créditos com todo um estratagema”, refere a responsável da Deco.

Outra origem para uma situação financeira deficitária são “investimentos mal sucedidos: aquelas pessoas que, confrontadas também com a situação desemprego, criaram o seu próprio emprego e não correu bem”.

Quanto às habilitações académicas, a maioria das famílias que pede ajuda tem o ensino secundário (36%) ou o 3.º ciclo (22%), representando o ensino superior 18%. Já as famílias com 1.º ciclo são 15% e com o 2.º ciclo 10%.

A taxa de esforço média dos consumidores que pediram ajuda à Deco era de 70,8%, acima dos 67% de 2016.

Como manter um orçamento familiar equilibrado?

Fazer um orçamento, cumpri-lo, não gastar dinheiro sem necessidade e colocar de lado dinheiro para as contas imprevistas são algumas das sugestões da Intrum Justitia (uma multinacional especializada em serviços de gestão de crédito) para manter o orçamento doméstico equilibrado.

Para tal, recomenda:

  • Liste todas os gastos de cada mês
  • Pense duas vezes antes de comprar alguma coisa – será que realmente precisa?
  • Reserve dinheiro para contas que sabe que vão surgir, como impostos e seguro do carro, por exemplo
  • Nunca assine um contrato até ler e compreender bem os termos estabelecidos
  • Tenha em conta as letras pequenas dos contratos e evite custos extras pagando sempre dentro dos prazos
  • Se sabe que não vai conseguir pagar uma despesa no prazo definido, negoceie novos prazos de pagamento para não incorrer em taxas de juro incomportáveis
  • Se não pagar uma dívida dentro do prazo e for contactado por uma empresa de gestão de cobranças exponha a sua situação financeira com o objectivo de encontrarem possíveis soluções.

Mais de metade das famílias não consegue poupar

Mais de metade das famílias portuguesas (perto de 58%) não consegue poupar dinheiro todos os meses, revela a Intrum Justitia.

Segundo os mesmos dados, 42% dos inquiridos dizem que conseguem poupar uma média de 281 euros por mês.

Em Espanha, os números são mais elevados: 54% dizem conseguir poupar uma média de 375 euros – à semelhança da média europeia, com 50% a responderem que as suas poupanças são de 326 euros por mês.

Entre os que conseguem poupar, mais de 74% dos portugueses indicam esse dinheiro se destina a despesas imprevistas – uma preocupação que também existe em Espanha (76%) e na Europa (71%).

A Intrum Justitia considera que a crise mudou a atitude dos portugueses face à poupança, dado que 69% dos inquiridos reconhecem agora ser mais importante poupar dinheiro. Os portugueses são os que mais alteraram a sua atitude.

Em Espanha, apenas 64% mudaram a sua postura face à poupança e na Europa o número desce para 43%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • P/RR
    31 out, 2017 cantinho da censura 11:56
    Era só para perguntar pelo meu comentário? Nem mesmo fazendo elogios à RRenascença se eles publicam?! Olha estou a escrever o minimo. Mas ponham mais este junto dos outros que não publicaram. Vocês são uma vergonha. Eu nunca me vou calar e isto servirá de exemplo para criticar forte e feio e vossa prestação e falta de respeito para quem quer ter opinião. Se não for aqui será nutro lado qualquer
  • Viva a R/Renascença
    31 out, 2017 estação da censura 11:08
    Ia comentar, mas não comento, afinal a RRenasc. censura tudo e mais alguma coisa. Ontem foram três comentários que não me publicaram. Apenas deixo só isto para censurarem mais este. Viva a R. Renascença e a censura! Merecem um foguete!
  • couto machado
    31 out, 2017 porto 10:05
    Não sei se é um País ou um Mundo que não se percebe. Então não é que o BES tem 40 milhões de euros que não sabe quem é ou são os donos ? A comissão que está a auditar as contas, não os encontra. Anda nisto desde Agosto. Afinal o Banco de Portugal não faz nada ?
  • Jorge
    31 out, 2017 Cuba 08:05
    Os números demonstram que, afinal, não está tudo bem.

Destaques V+