Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Taxa de juro do crédito à habitação sobe pela primeira vez em três anos

22 ago, 2017 - 13:33

A taxa de juro implícita no conjunto dos créditos à habitação inverteu a tendência de descida em Julho.

A+ / A-

A taxa de juro implícita no conjunto dos créditos à habitação inverteu a tendência de descida e subiu ligeiramente em Julho, pela primeira em três anos, para 1,009%, enquanto a prestação média diminuiu, revelou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

A última subida desta taxa foi registada pelo INE em Julho de 2014, quando a taxa de juro dos contratos de crédito à habitação aumentou para 1,516%.

No último mês de Julho, a taxa de juro implícita no crédito à habitação fixou-se nos 1,009%, valor superior em 0,2 pontos base ao de Junho (1,007%).

A prestação média vencida foi 238 euros, um euro acima do registado em Junho.

Para os contratos celebrados entre Maio e Junho, o valor médio da prestação fixou-se nos 302 euros em Julho, menos três euros do que em Junho.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita desceu 8,5 pontos base, passando de 1,766% em Junho para 1,681% em Julho.

Para o financiamento de aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos foi 1,029%, valor 0,2 pontos base superior aos 1,027% de Junho.

Nos contratos celebrados no trimestre terminado em Julho, a taxa de juro para financiamento de aquisição de habitação passou de 1,752% em Junho para 1,673% em Julho.

Em Julho, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos aumentou 60 euros face ao mês anterior, para 51.592 euros, enquanto nos contratos celebrados nos últimos três meses o montante médio do capital em dívida subiu, de 90.884 euros em Junho, para 92.052 euros em Julho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fausto
    23 ago, 2017 Lisboa 00:18
    Não percebo a preocupação...dos comentadores...com a necessidade de cada um querer ter mais...ou ter aquilo que nunca poderia ter doutra forma...querem ver que foi por causa do crédito do carro do meu vizinho...que os governos de todos os países gastam mais que aquilo que deviam...não sejam intriguistas contra o povo...
  • XUXAS MANIPULADORES
    22 ago, 2017 Lx 14:25
    Pois é...vai começar a subir e depois queixem-se dos mesmos erros que se cometeram no tempo dos xuxas em que todos nos endividávamos até mais não com a euforia dos xuxas e do seu querido líder, esse portento chamado Pinto de Sousa, conhecido pelo 44 em Évora... Será que o nosso fado com os xuxas é sempre o mesmo? Bancarrota sendo que a dívida pública já vai nos 249 mil milhões...A ver vamos como diz o ceguinho..:Enquanto isso a esquerda folclórica vai-nos dando baile para dançarmos nas mentiras e manobras de propaganda deles...Xuxas manipuladores....
  • DR XICO
    22 ago, 2017 LISBOA 14:05
    Voltou o crédito barato, peça 10 leve 20, vá de férias paga para o ano, o vizinho tem um BMW quero um Mercedes, pequeno almoço é sempre nas pastelaria (dá statos e é chique) somos uma familia que vive à rica... Os bancos voltaram a oferecer forçadamente a toda a gente dinheiro facil, 5 anos e voltamos à banca rôta.

Destaques V+