Tempo
|

Dia Mundial da População

População na UE e em Portugal volta a crescer em 2022 à boleia da migração

11 jul, 2023 - 16:48 • Diogo Camilo

Depois de ter diminuído em 2020 e 2021 devido à pandemia, o número de habitantes no bloco europeu voltou a crescer. Portugal teve menos 40 mil nascimentos que mortes, mas teve mais 115 mil imigrantes que emigrantes.

A+ / A-

A população na União Europeia voltou a crescer no ano passado, depois de ter diminuído nos anos de pandemia. São mais 1,7 milhões de pessoas a viverem no bloco europeu em relação em 2021, com o saldo migratório positivo a fazer contrapeso ao saldo natural negativo - também, mas não só, devido à guerra na Ucrânia.

De acordo com dados do Eurostat, divulgados no Dia Mundial da População, a população na UE a 1 de janeiro de 2023 era de 448,4 milhões de pessoas, mais do que os 446,7 milhões registados no primeiro dia do ano passado.

Trata-se de uma evolução natural, desde que o bloco europeu tinha cerca de 350 milhões de habitantes, em 1960. Ao longo dos últimos anos, o ritmo de crescimento tem abrandado: no período entre 2005 e 2022, a população europeia cresceu em cerca de 0,8 milhões de pessoas por ano, comparado com o crescimento médio de 3 milhões de habitantes por ano nos anos 60

Com o surgimento da pandemia da covid-19, em 2020 houve um decréscimo de quase meio milhão de pessoas. Em 2021, a população voltou a diminuir, em cerca de 0,3 milhões.

A Alemanha continua a ser o país mais populoso, com 84,4 milhões de habitantes, seguido de França e Itália. Juntos, os três países têm quase metade da população da União Europeia (47%). Malta é o país com menor população: cerca de 500 mil habitantes.

Portugal, com 10,3 milhões de habitantes, viu a população crescer em mais de 100 mil pessoas, muito graças ao saldo migratório. O país é o 12.º mais populoso da União Europeia, atrás da Suécia e à frente da Hungria.

Em 2022, o saldo natural português voltou a ser negativo (houve mais 40 mil mortes que nascimentos), mas o saldo migratório compensou - entraram 155 mil migrantes no país, para um crescimento da população de 115 mil pessoas.

Embora a população geral da União Europeia tenha crescido em 2022, nem todos os países verificaram esta subida. Sete países - Itália, Polónia, Hungria, Grécia, Bulgária, Eslováquia e Croácia - diminuíram a população. Em Itália, houve uma diminuição de quase 180 mil pessoas em relação ao ano passado.

Na Alemanha foi verificado o maior aumento da população - mais de 1,1 milhões de habitantes em relação ao ano passado.

Em relação ao saldo natural de cada país, e excluindo o aumento de população devido a migrantes, apenas seis verificaram mais nascimentos que mortes em 2022: França, Irlanda, Suécia, Chipre, Luxemburgo e Malta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Antunes
    11 jul, 2023 Alfragide 17:25
    Em Portugal não há uma política de natalidade efectiva para a família tradicional (só assim se compreende a baixa natalidade quando 20 anos atrás tínhamos rácio de nascimentos muito positivos).

Destaques V+