32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

Dúvidas Públicas

CIP defende “imigração programada” e quer participar no processo

12 abr, 2024 - 06:00 • Sandra Afonso , Arsénio Reis

Em entrevista à Renascença, Armindo Monteiro diz que o aumento da natalidade já não é uma solução viável para os próximos 10 ou 20 anos, e "a imigração é a única que vai permitir resolver" a falta de trabalhadores. O presidente da CIP critica a entrada de mão de obra de "baixo valor acrescentado" e defende um processo "programado".

A+ / A-

Os patrões querem replicar em Portugal o modelo alemão. Ou seja, querem ter uma voz ativa na imigração. É o que defende o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), Armindo Monteiro, em entrevista ao programa Dúvidas Públicas, da Renascença.

Este foi um dos temas que dominou a campanha eleitoral e continua a ser notícia, até porque a entrada de trabalhadores é uma necessidade do país, com o envelhecimento da população. No entanto, este fluxo de mão de obra não está a contribuir na mesma medida para o crescimento da economia.

"Com mais um milhão de pessoas a trabalhar, o nosso Produto Interno Bruto (PIB) cresceu de forma anémica", sublinha o presidente da CIP. Porquê? Devido ao "baixo valor acrescentado, no fundo vieram fazer o que nós já fazíamos", explica.

Armindo Monteiro reforça o coro de críticas ao modelo económico do país. "Estamos a especializar a nossa economia em valores mínimos e trabalho indiferenciado", ou seja, baixos salários. Assim, avisa, "não vamos conseguir aproximar-nos da média europeia".

Defende que é preciso discutir a imigração e a CIP quer ser incluída. Para o presidente da CIP, o aumento da natalidade já não é uma solução viável para os próximos 10 ou 20 anos, "a imigração é a única que vai permitir resolver a falta de mão de obra". No entanto, não basta permitir a entrada destas pessoas no país.

Armindo Monteiro defende uma solução semelhante à que se aplica na Alemanha, onde "a Confederação Empresarial Alemã participa ativamente, indicando quais são os setores onde falta mão-de-obra".

No entanto, o presidente da CIP sublinha que os patrões defendem "uma imigração programada, não ad hoc" ou dirigida a determinado fim. "Nós não podemos trazer pessoas apenas para trabalhar, mas também para viver, para isso é necessário assegurar também condições de saúde, educação e segurança", acrescenta.

É a ausência de uma "imigração programada" que cria os "fenómenos anti-imigração", defende.

Aumento do preço do petróleo volta a ameaçar empresas

Nesta entrevista ao programa Dúvidas Públicas, o presidente da CIP admite que as empresas estão de novo ameaçadas pelo aumento do preço do crude, que está a ser transacionado ao valor mais elevado dos últimos cinco meses, no mercado internacional.

Esta tendência de subida tem sido refletida nos combustíveis, que estão também a aumentar de preço. António Monteiro admite que podem regressar as dificuldades já sentidas há um ano, quando a inflação disparou e o Governo foi obrigado a intervir com apoios ao tecido empresarial.

Esta ameaça pode ainda agravar-se "se se perpetuar a guerra". Além disso, "a geografia ibérica não facilita nada em termos de energia, se estivéssemos no centro facilmente nos chegava energia de vários pontos da Europa, numa das pontas e com o "muro" dos Pirenéus a separar-nos, é uma dificuldade termos energia a custos competitivos como têm a maior parte dos nossos parceiros europeus", explica.

São excertos da entrevista do presidente da CIP, Armindo Monteiro, à Renascença, onde fala ainda do programa do novo Governo, de impostos, salários e sindicatos, entre outros temas.

Uma entrevista para ouvir na antena da Renascença este sábado, a partir do meio dia, e que fica depois disponível no site e em podcast.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+