Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Sporting

Rúben Amorim faz "mea culpa", mas também se queixa de falta de sorte

23 jan, 2024 - 22:02 • Redação

Treinador do Sporting reconhece que não devia ter mexido logo a seguir ao golo do Braga e lamenta falta de eficácia.

A+ / A-

Rúben Amorim queixa-se da falta de sorte do Sporting, na derrota com o Braga na meia-final da Taça da Liga, ainda que também assuma erros nas substituições.

Em declarações à Sport TV, no final da partida que ditou a eliminação do Sporting da Final Four, Amorim resumiu a derrota a dois fatores: "Finalização e é o futebol."

"Acredito muito que o fator sorte existe e tem muita influência. Fomos a melhor equipa, mas ganhou o Braga. Parabéns e é seguir em frente", disse.

No entender de Amorim, o Braga ganhou "porque o Sporting não conseguiu fazer golos". Já os minhotos marcaram "na única oportunidade". Contudo, o treinador não se escusa de responsabilidades.

"A culpa também foi um bocado minha, porque fiz substituições logo a seguir, sem deixar a equipa assentar. Devia ter deixado a equipa assentar, por isso o demérito nessa parte foi do treinador, não dos jogadores", acrescentou, admitindo também que se arrepende de ter tirado Coates logo após o golo do Braga: "Agora, sim."

Derrota não faz mossa


Apesar da derrota, e de ter perdido a oportunidade de conquistar um título, Rúben Amorim acredita que não fará mossa, embora prefira esperar pelo próximo jogo,

"Depende do que veremos no próximo jogo. Acredito que não, mostrámos grande intensidade e merecíamos ganhar. Causa mossa porque queremos ganhar todos os títulos, não conseguimos, mas vamos já focar-nos no próximo jogo", sublinhou.

O Sporting volta a jogar no dia 29 de janeiro, domingo, às 20h45, frente ao Casa Pia, para o campeonato.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+