Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Tóquio 2020

Diário dos Jogos: Mais um diploma olímpico na marcha e esperança na canoagem

06 ago, 2021 - 16:15 • Redação

João Vieira foi quinto classificado na marcha, Ana Cabecinha ficou aquém do objetivo e Emanuel Silva, João Ribeiro, Messias Baptista e David Varela seguem para as meias-finais na canoagem, num dia de ouro para o Canadá no futebol e para os Estados Unidos no vólei de praia.

A+ / A-

Veja também:


João Vieira conquistou, na madrugada desta sexta-feira, o nono diploma olímpico para Portugal, na final masculina dos 50 quilómetros marcha.

O português de 45 anos, atleta do Sporting, terminou a prova no quinto lugar, em 03h51m28s, a 01m20s do vencedor, o polaco Dawid Tomala, que partilhou o pódio com Johnathan Hilbert (Alemanha) e Evan Dunfee (Canadá).

João Vieira esteve perto das medalhas até ao fim da prova, mas acabou por perder o grupo que chegou às medalhas nos últimos quilómetros.

Com este quinto lugar, Portugal soma nove diplomas olímpicos que se somam às quatro medalhas conquistadas por Pedro Pichardo (ouro no triplo salto), Patrícia Mamona (prata no triplo salto), Fernando Pimenta (bronze, na canoagem) e Jorge Fonseca (bronze, no judo).

Mais tarde, Ana Cabecinha também entrou em ação na final dos 20 quilómetros marcha. A portuguesa terminou a prova no 20º lugar, aquém dos resultados obtidos em participações anteriores, em que conquistou diploma olímpico, mas alcançou, ainda assim, um resultado no "top-20", com a melhor marca pessoal o ano, ao completar a prova em 1h34m08s.

Cabecinha, de 37 anos, perdeu o contacto com o grupo da frente sensivelmente a meio da prova e partir daí geriu o seu andamento para cortar a meta a 4m52s da vencedora, a italiana Antonella Palmisano.

A prata foi para a colombiana Sandra Lorena Arenas, que chegou 25 segundos depois de Palmisano, e a chinesa Hong Liu conquistou o bronze.

Ana Cabecinha despede-se dos Jogos com um 20.º lugar, depois de ter sido 6.ª no Rio em 2016, 7.ª em Londres 2012 e 8.ª em Pequim 2008.

Na última prova do dia com portugueses, o K4 500 composto pelos canoístas Emanuel Silva, João Ribeiro, Messias Baptista e David Varela apurou-se para as meias-finais, depois de ter sido quarto classificado nos quartos de final.

No Sea Forest Waterways, numa regata que qualificava seis dos sete barcos, o quarteto luso cumpriu a prova em 1.24,325 minutos, atrás de Hungria, vencedora da série, Bielorrússia e China. As meias-finais realizam-se no sábado, a partir das 02h21, sendo que a final decorre duas horas depois, às 04h37.

Ouro para o Canadá no futebol

No futebol feminino, o Canadá conquistou a prova ao vencer a Suécia na final, depois de um empate a um golo no tempo regulamentar. Após seis grandes penalidades, em que a eficácia não foi grande de nenhuma das equipas com vários penáltis falhados, Julia Grosso marcou o penálti que garantiu o ouro.

No futebol masculino, o México fechou a prova com a medalha de bronze, ao bater o Japão na partida pela última medalha. Cordova, Vasquez e Vega marcaram os golos do triunfo por 3-1. A final entre Brasil e Espanha disputa-se neste sábado, às 12h30.

Nas restantes provas dos Jogos, destaque para o ouro conquistado pelos Estados Unidos no vólei de praia. A dupla norte-americana, composta por April Ross e Alix Klineman, bateu as australianas Mariafe Artacho e Taliqua Clancy, com os parciais de 21-15 e 21-16, conquistando a medalha de ouro.

Esta foi a terceira medalha olímpica conseguida para April Ross, que chega finalmente ao ouro aos 39 anos, depois do bronze conquistado no Rio 2016 e da prata arrecadada em Londres 2012.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+