Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Judo

Jorge Fonseca já pensa no ouro de Paris. "Quero ser o melhor de sempre do desporto português"

29 jul, 2021 - 10:55 • Redação

O bronze em Tóquio 2020 "é saboroso", mas o judoca português "queria mais" e vai lutar por isso. "O meu lugar é no ouro."

A+ / A-

Jorge Fonseca mostrou-se feliz, mas não satisfeito com a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e apontou baterias ao ouro em Paris 2024, para tornar-se o melhor desportista português de sempre.

Em declarações à RTP, após conquistar a medalha em -100kg, o judoca português assumiu que o bronze "é saboroso, mas queria mais".

"Trabalhei para o ouro, era o grande objetivo. Trabalhei bastante, consegui o bronze, o meu treinador ainda me deu uma chapada e eu acordei e fui buscar aquilo que eu queria. Agora é trabalhar para a próxima. Sou bicampeão do mundo, trabalho para o ouro. O meu lugar é no ouro. É o ouro, o ouro, o ouro. Quero muito mais. Quero ser o melhor de todos os tempos do desporto em Portugal", declarou.

Cãibras e um recado a duas marcas

Jorge Fonseca disputou o bronze depois de perder nas meias-finais, em que pareceu estar limitado fisicamente da mão esquerda. Eram cãibras, explicou, decorrentes do nervosismo: "Quando fico muito nervoso fico com cãibras e os braços começam a bloquear, não consigo fazer nada."

"Tentei respirar fundo e fazer as coisas 'soft', mas não consegui. Fui buscar o que é meu. Quer dizer, não é meu. O meu é o ouro, mas era o que havia. Estou feliz. Eu queria tanto essa medalha. Estava desejoso, aflito, desesperado. Correu bem, graças a Deus. Trabalhei muito. Agora tenho mais três anos e vou trabalhar para conquistar o ouro em Paris", vincou.

O detentor da 25.ª medalha portuguesa em Jogos Olímpicos deixou, ainda, um recado a duas marcas desportivas e, ainda, à polícia:

"Apesar de não me deixarem entrar para polícia, luto pelo meu grande objetivo. Dedico esta medalha à Adidas e à Puma, que me disseram que não tinha capacidade para assinar por eles. Sou bicampeão do mundo e medalhado olímpico, que mais preciso para ter o apoio deles?"

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+