Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Entrevista Renascença

​João Eduardo Correia. Dos distritais de Lisboa a um gigante do Brasil

22 jun, 2022 - 10:00 • Pedro Azevedo

Treinador adjunto do Vasco da Gama, do Rio de Janeiro, na época passada treinava o Olivais e Moscavide, do Distrital da AF Lisboa. Foi estagiário de José Mourinho e Ernesto Valverde.

A+ / A-

João Eduardo Correia, de 28 anos, é mais um treinador português no futebol brasileiro. Chegou há poucos dias ao Club de Regatas Vasco da Gama, do Rio de Janeiro, para o cargo de adjunto de Maurício Souza.

Antes tinha sido o treinador adjunto do Cuiabá, para onde saltou em 2021, depois de ter orientado o Oeiras e o Olivais e Moscavide nos distritais de Lisboa.

“As pessoas gostaram do meu trabalho no Cuiabá e o meu nome foi falado no Vasco da Gama. Quando o Zé Ricardo se demitiu para ir para o Japão há umas duas ou três semanas, surgiu o nome do Maurício Souza e ele não tinha auxiliar. Nessa altura, o meu nome foi para cima da mesa. Estou muito feliz em me ter juntado a um gigante. Já deu para perceber a dimensão do clube, da torcida e da estrutura humana que o Vasco da Gama carrega. Estou muito contente de conhecer o Maurício Souza. Estamos muito alinhados com o pensamento do clube a curto, médio e longo prazo”, refere João Eduardo Correia, em entrevista a Bola Branca.

Subida do Vasco como objetivo

O Vasco da Gama está na Série B do Brasil, mas há sete clubes na prova que já foram campeões nacionais.

“A Série A do Brasil não é o campeonato mais competitivo do mundo, mas diria que é o mais equilibrado. Na Série B o equilíbrio também é enorme e a luta para subir vai ser até ao fim. Há clubes como o Grémio, Bahia, Cruzeiro que são muito organizados e com qualidade individual muto alta. Há também ainda a possibilidade dos clubes brasileiros fazerem SAD, que no Brasil se chama SAF, o que irá tornar o campeonato ainda mais competitivo e o futebol mais profissional”, explica o treinador adjunto do Vasco da Gama.

Decorridas 13 jornadas, o clube carioca, que em 2020 chegou a ser orientado por Ricardo Sá Pinto, está no segundo lugar da Série B, com quatro pontos de atraso para o líder Cruzeiro. A equipa está em zona de subida e tem sete pontos de vantagem sobre o primeiro clube fora da zona de promoção.

O Vasco é a única equipa do campeonato que ainda não sofreu qualquer derrota.

Do Olivais ao gigante Vasco da Gama

Num curto espaço de tempo, a carreira de João Eduardo Correia mudou radicalmente. Da orientação técnica de emblemas do futebol não profissional como o Oeiras e o Olivais e Moscavide, o treinador hoje trabalha num dos maiores clubes do Brasil.

“Há três anos estava a dar treinos à noite, ao frio, como treinador principal no Oeiras e depois com as mesmas funções no Olivais e Moscavide. Estava no futebol não profissional, mas sempre a trabalhar como faço agora. O dia todo focado no futebol, no treino e nas análises de jogos. O que entrego agora é o mesmo que entregava no futebol não profissional”, refere.

O treinador português tem planos para a sua carreira, mas no curto prazo não espera ser treinador principal num clube de dimensão elevada como o que atual trabalha. “Neste momento o meu objetivo é conseguir o acesso á Série A. A longo prazo tenho esse objetivo mas a curto ou médio prazo não me passa pela cabeça”, assume.

Os ensinamentos de José Mourinho

João Eduardo Correia, natural de Lisboa, teve o privilégio de estagiar com treinadores de renome mundial. Esteve com José Mourinho no Manchester United, em 2018 e com Ernesto Valverde no Barcelona, em 2019. José Mourinho deixou uma forte marca no jovem treinador.

“Nos estágios tive a sorte de ter passado alguns dias com o melhor treinador da história do futebol português, o José Mourinho e estou grato. Muito do que me transmitiu e vi no trabalho dele fez-me um treinador mais capacitado. Principalmente nos traços de liderança. Disse-me no primeiro dia que as relações humanas no Manchester United não são diferentes do Oeiras. A experiência ao nível das relações humanas é igual. Foi dos pontos que mais me fascinou. Obviamente que no lado do treino tirei coisas para a minha cabeça, para o meu caderno e para o meu futuro. Mas fundamentalmente o que teve maior impacto foi na relação humana com os jogadores, e a forma de estar na vida e no clube. E para o planeamento do treino o mais importante é o lado psicológico”, detalha.

João Correia, de 28 anos, é adjunto do Vasco da Gama, clube que tenta regressar ao Brasileirão, depois de ter caído para a Série B ha´duas temporadas. É a segunda experiência do treinador português no Brasil, depois de ter sido adjunto do Cuiabá.

Antigo treinador principal do Olivais e Moscavide e do Oeiras, passou também por equipas técnicas do AEK, escalões de formação do Benfica, Loures, 1.º Dezembro e Estoril.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+