Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Atlético de Madrid e Inter de Milão saem da Superliga Europeia

21 abr, 2021 - 10:54 • Redação

Restam apenas Barcelona, Real Madrid, AC Milan e Juventus no projeto milionário da Superliga Europeia.

A+ / A-

O Atlético de Madrid e o Inter de Milão anunciaram, em comunicado, a saída da Superliga Europeia, o que deixa o projeto apenas com quatro clubes.

"O Conselho de Administração do Atlético de Madrid reuniu esta quarta-feira de manhã e decidiu comunicar formalmente à Superliga Europeia e ao resto dos clubes fundadores que não vai formalizar a sua adesão ao projeto", pode ler-se.

De acordo com a nota, o clube "colchonero" diz que decidiu juntar-se ao projeto de acordo com "circunstâncias que hoje já não existem".

"Para o nosso clube, é essencial o acordo entre todos os que integram a família 'rojiblanca', em especial os nossos adeptos. O nosso plantel e o treinador mostraram satisfação pela decisão do clube, ao entender que os méritos desportivos devem estar por cima de qualquer outro critério", termina a nota.

Já o Inter de Milão afirma que continua "comprometido em dar aos seus adeptos a melhor experiência e que a inovação e inclusão são parte do ADN do clube". "O Inter acredita que o futebol deve ter interesse em melhorar as suas competições, de manter o desporto entusiasmante para todas as idades. Vamos continuar a trabalhar com as instituições e os acionistas pelo futuro do desporto que amamos".

Sobram apenas quatro clubes no projeto: Juventus, AC Milan, Real Madrid e Barcelona.

Os seis clubes ingleses co-fundadores da denominada Superliga europeia de futebol - Arsenal, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Tottenham e Chelsea - anunciaram a sua desistência da competição na noite de terça-feira.

O Manchester City foi o primeiro dos clubes ingleses a oficializar, na terça-feira, a saída da Superliga, seguindo-se, pouco depois e praticamente ao mesmo tempo, Arsenal, Liverpool, Manchester United e Tottenham, antes de o Chelsea consumar o abandono de toda a 'elite' do futebol britânico, já na madrugada de hoje.

No domingo, AC Milan, Arsenal, Atlético de Madrid, Chelsea, FC Barcelona, Inter Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham anunciaram a criação da Superliga europeia, à revelia de UEFA, federações nacionais e vários outros clubes.

A competição previa ser disputada por 20 clubes, 15 dos quais fundadores -- apesar de só terem sido revelados 12 -- e outros cinco, qualificados anualmente.

UEFA e FIFA confirmaram que os jogadores das equipas que disputem a Superliga serão banidos dos Europeus e Mundiais e proibidos de representar as suas seleções. A UEFA já está a estudar uma forma de excluir, com efeitos imediatos, os 12 clubes fundadores da Superliga das competições europeias.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Falácia
    21 abr, 2021 Nada Mais 14:52
    A SuperLiga não era para levar a sério: mais não foi que um instrumento de pressão de alguns clubes, para obterem "coisas" - nalguns casos, obtiveram - que a UEFA se recusava a dar. Assim "inventaram" uma "Superliga", que não era para levar à pratica - se fosse e atendendo à reação previsível da UEFA e das respetivas Federações, teriam de fazer eles mesmos Federações autónomas, Seleções, autónomas, comités de arbitragem e disciplina autónomos, ou seja, toda uma estrutura paralela com o seu edifício legal autónomo, para poderem manter-se a jogar e mandar passear a UEFA. Alguém viu isso, sequer esboçado?

Destaques V+