Tempo
|
A+ / A-

Autópsia de Maradona não revela drogas ou álcool, mas aumenta suspeita de erro médico

23 dez, 2020 - 17:00 • Redação

Astro argentino sofria de problemas cardíacos e foram encontrados indícios de vários medicamentos que causavam arritmia.

A+ / A-

A autópsia ao corpo do antigo jogador Diego Armando Maradona não revelou indícios de drogas ilegais ou álcool, segundo revelou a agência noticiosa Télam.

Maradona morreu devido a "um edema agudo do pulmão que se seguiu a uma insuficiência cardíaca crónica agudizada". A autópsia detetou ainda uma "miocardiopatia dilatada" no coração do antigo jogador. De resto, a autópsia revelou um quadro cirrótico no fígado de Maradona, também com problemas nos rins e nos pulmões.

Apesar de não terem sido encontrados vestígios de drogas e álcool, foram detetadas outras substâncias como venlafaxina, quetiapina, levetiracetam e naltrexona, medicamentos que causam arritmia, que não são aconselhados a pessoas com problemas cardíacos, como Maradona.

A autópsia tem aumentado as suspeitas de erro médico no tratamento de Maradona enquanto ainda estava vivo, uma vez que os medicamentos poderiam não ser aconselhados a pacientes com problemas cardíacos.

"É tão importante o que apareceu quanto o que não apareceu nestes testes de laboratório, que, à primeira vista, confirmam que Maradona recebia drogas psicotrópicas, mas nenhuma medicação para as suas doenças cardíacas", afirmou um dos médicos que realizou a autópsia à agência Telam.

Diego Armando Maradona, considerado por muitos como o melhor jogador da história do futebol, morreu a 25 de novembro, aos 60 anos. O antigo futebolista argentino sofreu um ataque cardíaco. Maradona já tinha apresentado sinais preocupantes no início de novembro, quando teve de ser internado por anemia, desidratação e baixo estado anímica.

No hospital, foi-lhe detetado um coágulo no cérebro (hematoma subdural) e teve de ser operado de urgência. A 12 de novembro, o antigo internacional argentino teve alta médica e foi transportado, de ambulância, para prosseguir tratamento para a adição ao álcool, para uma casa nos arredores de Buenos Aires, onde viria a falecer, esta quarta-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+