32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Benfica

​Benfiquistas vão despedir-se de Eriksson no intervalo do jogo com o Marselha

10 abr, 2024 - 11:25 • Hugo Tavares da Silva

Segundo o "Diário de Notícias", o treinador sueco será homenageado no Benfica-Marselha, na quinta-feira, um jogo que reedita a meia-final da Taça dos Campeões Europeus de 1990. Futebolistas dessa época estarão no relvado.

A+ / A-

Os adeptos do Benfica e o estádio que é filho da antiga Luz vão despedir-se de Sven-Göran Eriksson, o treinador que chegou a Lisboa no verão de 1982 e que, em duas passagens, somou cinco temporadas no clube e três títulos nacionais (mais uma Taça de Portugal e uma Supertaça).

A homenagem vai decorrer no intervalo do Benfica-Marselha, nesta quinta-feira, a contar para os quartos de final da Liga Europa. A notícia foi avançada pelo jornal “Diário de Notícias”. Em janeiro, o sueco, de 76 anos, revelou que sofre de um cancro em fase terminal.

“Svennis” foi entretanto homenageado também no clube dos seus sonhos, o Liverpool, orientado até, em Anfield, a equipa da casa, num jogo de lendas contra o Ajax.

O nórdico era o treinador do Benfica quando os lisboetas defrontaram e eliminaram o Marselha, em 1990, na semifinal da Taça dos Campeões Europeus, com o tal golo de Vata. Será então um regresso, por alguns minutos, a um passado glorioso. E emotivo, certamente. Alguns jogadores desse plantel estarão no relvado com o técnico, aposentado desde 2019, quando pendurou o apito nas Filipinas.

A Renascença contou recentemente a história da chegada do revolucionário treinador sueco ao Benfica, ouvindo João Alves e José Manuel Delgado. “As equipas portuguesas inibiam-se a jogar fora. Com ele, isso desapareceu. Em casa ou fora, adotava-se sempre o mesmo sistema de jogo, a mesma mentalidade. O sucesso foi muito grande”, relatou o antigo guarda-redes e suplente de Bento, a quem partiu o nariz num aquecimento e, depois de tanto silêncio, ouviu de Sven-Göran um seco “keep the zero”, como quem diz “não sofras golos”.

O treinador sueco, com passagens também por Fiorentina, Roma, seleção inglesa e Manchester City, chegou a ser aprendiz de pasteleiro enquanto navegava nas águas turvas do futebol amador sueco. Chegou a pedir à mulher para ir ver jogos dos adversários da 3.ª Divisão. O salto para o Gotemburgo mudou a vida inteira e, depois da vitória na Taça UEFA, seguiu-se o Benfica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+