Emissão Renascença | Ouvir Online
Novas Crónicas da Idade Mídia
O que se escreve e o que se diz nos jornais, na rádio, na televisão e nas redes socais. E como se diz. Eduardo Oliveira e Silva, Luís Marinho, Luís Marques e Rui Pêgo são quatro jornalistas com passado, mas sempre presentes, olham para as notícias, das manchetes às mais escondidas, e refletem sobre a informação a que temos direito. Todas as semanas, leem, ouvem, veem… E não podem ignorar. Um programa Renascença para ouvir todos os domingos, às 12h, ou a partir de sexta-feira em podcast.
A+ / A-
Arquivo
Discurso de Ventura foram "Promessas, um par de botas e Sá Carneiro"

Novas Crónicas da Idade Mídia

Discurso de Ventura foram "promessas, um par de botas e Sá Carneiro"

18 jan, 2024 • Eduardo Oliveira e Silva, Luís Marinho, Luís Marques e Rui Pêgo


Eduardo Oliveira e Silva, Luís Marinho, Luís Marques e Rui Pêgo leram, ouviram e viram as notícias que circularam esta semana e partilham os seus pontos de vista.

“Sou pai, sou avô…sou fascista”, diz Rui Cruz na Convenção do Chega. Afinal, diz o militante, quis ser irónico…na parte em que diz que é fascista.

Rui Cruz, ao que se disse, é especialista em marketing político. A ser verdade, esfrangalhou uma regra elementar de comunicação: nunca se usa a ironia em declarações públicas. Presta-se a equívocos, no mínimo.

André Ventura até se esforçou por explicar que se tratou de uma graçola do correligionário, ignorando o que todos tínhamos visto e ouvido. Nos seus discursos, o Presidente do Chega fez promessas à esquerda e à direita e ensaiou o sequestro de Sá Carneiro. Nem uma palavra sobre os ciganos, a castração química dos pedófilos e a prisão perpétua. “Estou preparado para ser primeiro-ministro como Sá Carneiro em 1979”. Logo se verá. Os Media parecem encantados com o Chega e são poucos os que se detêm a olhar de frente para o fenómeno.

Não é nova a mobilização de manifestações através das redes sociais, mas os polícias (PSP e GNR) têm sido muito criativos nas ações de rua. Já cantaram o Hino numa “espera” ao primeiro-ministro e num jogo de futebol, aplaudidos por todo o estádio e depositaram 8 caixões, tantos quantos os anos de governação socialista, frente à AR.

José Paulo Fafe, CEO da Global Media, disse na audição da comissão parlamentar: “Marcelo foi uma das pessoas que mais contribuiu para fomentar a intriga em redor do negócio, criando boatos sobre o Fundo, como ele próprio reconheceu [ao próprio Fafe] através de mensagem, tentado condicionar algumas mudanças até a nível editorial”. Que se saiba, ninguém apareceu a pedir um comentário ao Presidente, ninguém exigiu a Fafe que provasse o que estava a dizer, a começar pelos próprios deputados presentes na comissão parlamentar.

De acordo com a contestação da TAP ao pedido de indeminização de Christine Ourmières-Widener, a ex-presidente não tinha qualificações para o cargo. Então porque é que a contrataram? Somos governados pela “geração rasca”? Os atuais e putativos governantes são, quase todos, dessa geração, cunhada assim por Vicente Jorge Silva num texto sobre as manifestações de estudantes.

São dois enigmas de resposta fácil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.