Henrique Raposo n´As Três da Manhã
Segundas e sexta-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
NRP Mondego é "caso de indisciplina", mas não iliba "estado péssimo" da embarcação

HENRIQUE RAPOSO

NRP Mondego é "caso de indisciplina", mas não iliba "estado péssimo" da embarcação

20 mar, 2023 • Sérgio Costa , Pedro Valente Lima


Henrique Raposo salienta que militares não deveriam ter desobedecido às ordens, mas realça a importância de ouvir o testemunho dos marinheiros. O comentador da Renascença "não tem dúvidas" de que o navio estaria em mau estado e culpa o desinvestimento do Estado.

Os 13 militares que se recusaram a embarcar numa missão de acompanhamento de um navio russo já estão a ser ouvidos pela Polícia Judiciária Militar. Henrique Raposo fala de um caso de um "caso de indisciplina", mas também não duvida do eventual "estado péssimo" do NRP Mondego.

"Antes de mais, é um caso de indisciplina que tem de ser julgado. Sendo bombeiro, polícia, militar, a sua função é entrar no perigo. Não pode 'não ir' para o perigo, está-se a anular a si próprio", aponta o comentador da Renascença.

No entanto, Henrique Raposo não deixa de questionar o eventual estado da embarcação, resultado da falta de investimento e de manutenção do equipamento militar. O comentador começa por dar o exemplo dos tanques Leopard, "que estão na garagem sem peças".

"Estão à espera de um exército espanhol imaginário que não vai aparecer, quando temos o Atlântico para defender, por exemplo, do tráfico de droga. Nós somos uma anedota internacional, porque a nossa costa é um passador de drogas."

Em entrevista à Renascença, o Chefe do Estado-Maior da Armada, Gouveia e Melo, salientava a importância de as autoridades portuguesas possuírem os meios necessários para proteger as águas portuguesas.

Para Henrique Raposo, o caso do navio NRP Mondego é mais um capítulo que comprova essa necessidade: "Nós não temos navios operacionais para defender a nossa costa e para cumprir coisas básicas. A missão em causa era uma coisa simples, era quase um 'proforma' militar".

Contudo, antes de apontar o dedo aos marinheiros, o comentador da Renascença salienta ser necessário dar-lhes a palavra e direito de defesa nas instâncias adequadas, como o Tribunal Militar.

"Eu quero ouvi-los, porque eu tenho a certeza [de] que aquele navio estava num estado péssimo, [tal] como temos navios que estão sempre a avariar. Isto revela um estado [de desinvestimento]... Eu pergunto: o que é que o PS faz ao dinheiro?"

Henrique Raposo salienta que a questão do desinvestimento é transversal à sociedade portuguesa, desde a Marinha e o Exército, às escolas e hospitais. E destaca outro caso recente: a Carta de Perigosidade Rural.

De acordo com o mesmo documento, as populações rurais poderão ser impedidas de sair de casa em dias de risco elevado de incêndio. "Como o Estado não consegue fazer uma coisa básica, [que] é articular a polícia com guardas florestais e bombeiros, como o Estado não consegue fazer o seu trabalho, prende as pessoas em casa", lamenta.

No final de contas, o comentador conclui que tudo se resume à ação ineficiente do Governo: "Nós trabalhamos para o Estado metade do ano. Onde é que está o dinheiro? Onde é que está o investimento correspondente aos impostos e às taxas que nós pagamos?"

"Como é que chegámos a um ponto em que todos nós sentimos que as coisas funcionam mal em todos os setores do Estado?"

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.