Tempo
|
Euranet
Grande Reportagem
A+ / A-
Arquivo
Grande Reportagem Euranet - que futuro para a França na UE? 06-03-2017

grande reportagem euranet

O futuro de França (e da Europa?) joga-se nas eleições

06 mar, 2017 • Pedro Rios e Teresa Abecasis


​E se a Frente Nacional ganhasse as eleições Presidenciais em França? A reportagem da Renascença foi saber da sensibilidade dos franceses num momento crucial para a vida de uma das maiores economias europeias e um dos países fundadores da CEE. Isto numa altura em que cresce um partido fortemente eurocéptico.

As sondagens mais recentes para as eleições de 23 de Abril dão a vitória a Marine Le Pen na primeira volta, com 28% das intenções de voto, mas uma derrota na segunda volta para Emmanuel Macron.

A socióloga e politóloga Nonna Mayer é investigadora no Centro de Estudos Europeus da Sciences Po, uma prestigiada universidade francesa. Conhece bem o fenómeno da Frente Nacional desde os anos 80, quando o partido de Jean-Marie Le Pen, o pai de Marine, registou o seu primeiro resultado significativo numas eleições: mais de 10%.

A Frente Nacional fugiu do rótulo extrema-direita, suavizou o discurso e chega agora a novos eleitores, entre os quais imigrantes.

Os jornalistas Pedro Rios e Teresa Abecasis estiveram em Paris e falaram com Nonna Mayer, uma das maiores especialistas francesas em eleições e extrema-direita.

Entre os opositores de Marine Le Pen está o autarca luso-descendente Hermano Sanches Ruivo. Chegou a França aos cinco anos, hoje tem 50. A vida levou-o até à política, quase sempre com a Europa e Portugal como panos de fundo.

Hermano Sanches Ruivo alerta para os riscos da possível eleição da filha de Jean Marie Le Pen. Diz mesmo que Marine Le Pen está a fazer um “bluff criminoso”, aproveitando-se da democracia e de alguma desilusão dos cidadãos com a Europa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.