Tempo
|
Autárquicas 2021
34,22%
148Câmaras
13,2%
72Câmaras
10,81%
31Câmaras
8,21%
19Câmaras
5,54%
19Câmaras
4,16%
0Câmaras
2,75%
0Câmaras
1,5%
6Câmaras
1,3%
0Câmaras
14,18%
13Câmaras
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 46,35%
  • Votos Nulos: 1,58%
  • Votos em Branco: 2,50%

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Colapso no Afeganistão

18 ago, 2021 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Praticamente não houve combates entre as forças governamentais do Afeganistão e os taliban. Não é possível mobilizar contra os fanáticos da teocracia islâmica um povo cujos líderes não lutam pela sua liberdade.

A rapidez da tomada do poder pelos taliban no Afeganistão surpreendeu toda a gente, a começar pelos críticos da retirada dos militares dos EUA. Praticamente não houve batalhas entre as forças governamentais do Afeganistão e os taliban.

A vitória dos taliban terá sido longamente preparada, implicando negociações com os vários “senhores da guerra” e líderes tribais, que assim não se opuseram à sua operação relâmpago de tomada do poder. Quanto ao exército, treinado, financiado e equipado pelos militares da NATO, não ofereceu qualquer resistência digna de nota – apesar de os seus efetivos serem quatro ou cinco vezes superiores em número aos combatentes taliban.

Era previsível esta recusa a combater, pois foi o que se viu há poucas semanas atrás, como aqui na altura referi. Os soldados eram pagos com atraso, mal alimentados e sentiam-se abandonados por quem mandava em Cabul. Por isso houve fugas e deserções em massa de soldados, teoricamente dependentes do presidente Ashraf Ghani.

Fugindo no momento em que os taliban entravam em Cabul quase sem dispararem um tiro, o presidente afegão tornou evidente aquilo que se anunciava: não é possível mobilizar contra os fanáticos da teocracia islâmica um povo cujos líderes não lutam pela sua liberdade. Nesse sentido, o que se passou no Afeganistão nos últimos dias confirma o acerto de J. Biden ao anunciar a retirada das suas tropas, vinte anos depois de ali terem chegado.

A posição de Biden não foi improvisada – há dez anos que ele criticava a permanência dos soldados americanos naquele país.

Claro que Biden se enganou quando disse esperar alguma resistência aos taliban por parte do corrupto e incompetente governo afegão. Biden acreditou nas palavras de Ashraf Ghani, que lhe garantira que o seu exército combateria os taliban. Viu-se...

Por outro lado, estranha-se a incapacidade dos militares americanos ali instalados desde há vinte anos e dos serviços de informação dos EUA para preverem e prevenirem o que se passou.

Confirma-se a dificuldade dos americanos para lidarem com culturas muito diferentes da sua. Viu-se no Vietname, no Iraque e agora no Afeganistão. Mais uma razão para os EUA porem um ponto final a estas mal sucedidas guerras em territórios cuja população não entendem.

São credíveis as promessas dos taliban de que se comportarão agora com moderação? Só o passar do tempo responderá a tal questão. Já a obrigação moral de acolher refugiados afegãos no Ocidente, incluindo em Portugal, não pode ser iludida.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António J G Costa
    19 ago, 2021 Cacém 17:42
    Só no Afeganistão é que houve colapso? Qual o resultado das "Primaveras árabes" ? Os Ocidentais continuam a achar que a Democracia é "Inata", esquecendo os 2000 anos em que os valores cristãos foram a pouco e pouco passados às populações. Ao ensinarem às populações, outros valores, como "Submete-te e Obedece", que são a Base do Islão, elas obedecem...ao mais forte, do momento. Só isso. Nada de estranho.
  • Sofia
    18 ago, 2021 lisboa 19:24
    A mudança, a ocorrer, tem de vir do próprio povo, e esse, com excepção de uma minoria muito residual, não está interessado em mudar. São aquelas mulheres e aqueles homens, muitos já nascidos e criados em plena "ocupação" americana, que desejaram o regresso ao islamismo radical. Chocante para mim foi ver uma rapariga, com pouco mais de 20 anos, a chorar em frente às câmaras de TV, sobre a desgraça que se abatera sobre a vida das mulheres, quando ela própria confessa, na mesma entrevista, que defendeu a saída dos americanos! Quando os jovens, que podiam mudar aquela mentalidade cavernícola, foram os primeiros a desejar a saída dos americanos, o que é que podemos esperar daquele povo? Os americanos cansaram-se de enterrar dinheiro para modernizar uma sociedade que deseja a idade das trevas. Espero que os políticos do Ocidente não ponham as suas populações em risco para ajudar quem não quer, nem merece, ser ajudado.
  • Ricardo Saldanha
    18 ago, 2021 Lisboa 15:49
    A posiçao de Biden não foi improvisada mas a saída foi, e muito. Fez lembrar a forma irresponsável como Portugal conduziu o processo de descolonização a seguir ao 25 de Abril.
  • Ivo Pestana
    18 ago, 2021 Funchal 11:37
    O governo afegão foi prudente, sensato e humano. A guerra é demais e haveria muitas mortes...assim o melhor é aceitar as regras e no Afeganistão mandam os que lá estão. O Ocidente não faz nada de jeito, temos os exemplos do Iraque, Líbia, Síria, Israel, Haiti...ao menos ajudem o povo sofredor.
  • Bruno
    18 ago, 2021 aqui 06:21
    Não creio que haja uma obrigação moral nem receber afegãos, excepto os que colaboraram directamente com os governos Ocidentais. A NATO invadiu o Afeganistão porque no país era um ninho de terroristas que pretendia atacar o Ocidente. Aquele regime, contra o qual na população nada fez, é que iniciou nas hostilidades. Agora, os talibãs estão nde volta e novamente não houve uma mobilização popular contra a sua ocupação. Onde está a dita obrigação moral em receber afegãos se eles nada fizeram para evitar esta situação? É altura dos países Ocidentais pararem de se auto flagerarem e de se submeterem perante outras culturas que não partilham os mesmos ideiais.