Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Estado caloteiro

04 ago, 2021 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Em março de 2020 o Governo prometeu reduzir a dívida em atraso de pagamento a fornecedores. Aconteceu o inverso: essa dívida triplicou. Agora, com a “bazuca” europeia, o Governo fica sem desculpa para não cumprir o que prometeu.

Entrámos numa nova fase do discurso político governamental. Com a redução das restrições por causa da pandemia e a chegada dos primeiros cheques da “bazuca” europeia, o otimismo prevalece naquele discurso, até porque os números do INE parecem mais favoráveis do que se receava. Otimismo a que não é alheia a proximidade das eleições autárquicas.

Importa, porém, ter presente que a crise social ainda está para chegar, como alertou Rita Valadas, presidente da Caritas, em entrevista à Renascença e ao Público.

Tem vindo a aumentar o número de pessoas que recorrem à solidariedade social para sobreviverem; nada indica que essa tendência se inverta no futuro próximo, pelo contrário. Por outro lado, suscita alguma perplexidade a subida para cerca do triplo da dívida do Estado às empresas.

É que, em março do ano passado, quando a pandemia se manifestou em força entre nós, o Governo prometeu diminuir essa dívida, até para ajudar financeiramente inúmeras empresas.

É verdade que, entretanto, se concretizaram algumas modalidades de apoio a empresas em dificuldades financeiras – mas o falhado compromisso do governo de reduzir a sua dívida às empresas não foi uma delas.

Em causa encontra-se o Estado central, não os municípios nem as regiões autónomas. Os poderes autárquico e regional têm pago as suas dívidas dentro dos prazos estabelecidos, o que se saúda.

Já a administração central tinha em finais de junho passado uma dívida global a fornecedores de 1.624 milhões de euros, verba três vezes superior à registada no final de 2020.

Este é um problema crónico do Estado português, que desde há décadas se tornou um Estado caloteiro. Dir-se-á que, embora tarde e a más horas, o Estado acaba por pagar.

Mas os atrasos na liquidação de dívidas estatais a fornecedores provocam sérios problemas de tesouraria nas empresas envolvidas.

O mais grave, porém, é a mensagem desmoralizadora que esta situação transmite à comunidade empresarial: se o Estado não paga a tempo e horas, por que motivo deverão as empresas comportar-se de outra forma?

A verdade é que as empresas têm conseguido diminuir prazos de pagamento e dias de atraso, apesar do mau exemplo governamental.

Agora, com os milhões da “bazuca” europeia, o Governo fica sem desculpa para não cumprir o que prometeu. Veremos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    04 ago, 2021 Lisboa 23:46
    O Estado é caloteiro. Paga muito tarde e cria muitas dificuldades aos credores. Mas não se atrasa a cobrar os impostos, muitas vezes indevidamente, sem que o contribuinte possa reagir. A justiça tributária é cara e a maior parte dos contribuintes não pode custeá-la.
  • Americo
    04 ago, 2021 Leiria 11:31
    Bom dia. Só acredita nessa "gente" quem quer. Não é por acaso que o n/ País em termos de desenvolvimento continua na cauda da Europa.