Tempo
|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade.
A+ / A-
Arquivo
Centros comerciais devem abrir? Fernando Medina e João Taborda da Gama

F. Medina

Fernando Medina admite que centros comerciais representam elevado risco

29 mai, 2020 • Luís Aresta , Miguel Coelho (moderação)


A reabertura dos centros comerciais pode ficar adiada na região de Lisboa e Vale do Tejo devido ao aumento de casos de Covid-19. Esta hipótese foi admitida pelo primeiro-ministro na reunião de ontem com os especialistas de saúde no Infarmed. O presidente da Câmara de Lisboa alinha no mesmo discurso.

No habitual espaço de comentário na Renascença, Fernando Medina admite como “natural” a não reabertura dos centros comerciais em Lisboa, uma vez que se trata de áreas de “fruição e de grande concentração de pessoas”, sendo “natural que se possa ir por aí”.

O autarca de Lisboa sublinhou que o Governo tem todas as informações para tomar uma medida que poderia constituir “uma sinalização de alerta e de prudência, até para que a autoridade de saúde possa seguir todos os casos que estão a ser rastreados”.

Apesar o aumento de casos de contágio pelo novo coronavírus na capital e municípios vizinhos, Fernando Medida exclui a possibilidade do isolamento de concelhos localidades.

“Não creio que se vá para medidas do tipo ‘cercas sanitárias’. Não é isso que está em causa”, declarou o presidente da Câmara de Lisboa, porque “a realidade é que há polos localizados em unidades industriais e determinadas zonas residenciais muito concentradas”.

Governo hesitante

No mesmo espaço da Renascença, João Taborda da Gama defende que o país parece não estar preparado para o óbvio: havendo desconfinamento, vai haver novas infeções.

Na sua opinião, o Executivo fez circular, até através do PSD, “a ideia de que ao primeiro susto volta tudo para trás, um tipo de posicionamento que pode custar muito caro a todos”.

O comentador recomenda ao Governo que atue “com determinação no desconfinamento e com determinação sobre os focos concretos”.

O Conselho de Ministros vai reunir-se esta sexta-feira para fazer o balanço das medidas da segunda fase de desconfinamento e tomar decisões relativamente à terceira fase.

A nova fase acontece a 1 de junho. Devem reabrir as Lojas do Cidadão, centros comerciais, cinemas, teatros, auditórios e salas de espetáculos. Os mais novos também podem voltar a frequentar os jardins de infância.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.