Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Santarém ainda pode receber o futuro aeroporto?

Explicador Renascença

Santarém ainda pode receber o futuro aeroporto?

12 mar, 2024 • André Rodrigues


A Comissão Técnica Independente entregou esta segunda-feira ao Governo ainda em funções o relatório final sobre as opções de localização para o novo aeroporto de Lisboa.

Afinal, a comissão que estuda a localização do novo aeroporto não exclui Santarém como uma das possibilidades para a nova infraestrutura.

Santarém ainda pode receber o futuro aeroporto?

Essa é uma possibilidade admitida na Renascença pela presidente da Comissão Técnica Independente, que estudou os diferentes cenários para a localização do novo aeroporto na região de Lisboa. A versão final do relatório independente indica que Santarém é uma hipótese, mas só se coexistir com a Portela.

Mas a hipótese Santarém não tinha sido excluída pela Comissão Independente?

Não totalmente. A versão inicial do relatório, a Comissão Independente considerava inviáveis todas as soluções que incluíssem Santarém como solução para um hub internacional, invocando razões aeronáuticas.

Em particular, o conflito de tráfego com a base aérea de Monte Real, que, de acordo com a avaliação dos técnicos, limita o número de movimentos que a infraestrutura pode receber. A novidade está no facto de a Comissão Técnica Independente ter passado a considerar que Santarém é a única localização fora da área de concessão da ANA Aeroportos, o que potencia a concorrência e aumenta o poder negocial do Estado.

Mas há um problema. Mesmo em complementaridade à Portela, Santarém só teria capacidade para um número limitado de movimentos, o que não permite satisfazer a capacidade aeroportuária necessária no longo prazo.

Por essa razão, Santarém nunca poderá evoluir para um aeroporto único. Só que - e essa é uma das vantagens - permite ultrapassar, no curto prazo, as condicionantes criadas pelo contrato de concessão.

Outra vantagem é o financiamento privado.

Sem custos para o Estado?

Sem custos para o Estado. A proposta, apresentada pelas câmaras de Santarém, Golegã, Torres Novas e Alcanena prevê o financiamento privado até 1,2 mil milhões de euros para a construção de um aeroporto. Ou seja, sem pesar no erário público.

Então, qual é a localização considerada ideal?

O Campo de Tiro de Alcochete continua a ser apontada como aquela que tem mais vantagens estratégicas, sempre em complementaridade com o atual aeroporto de Lisboa, até que estejam em funcionamento duas pistas. A partir daí, Alcochete poderia evoluir para um aeroporto único.

Outra solução considerada viável numa lógica de hub intercontinental é Vendas Novas + Portela, que poderia, também, evoluir para uma infraestrutura única.

Apontada como inviável mantém-se a solução Montijo, porque, de acordo com os técnicos, só permite a construção de uma pista e levanta problemas ambientais.

Entregue a versão preliminar, o que se segue?

Este relatório entregue pela Comissão Independente vai agora ser analisado e fica disponível publicamente a partir de 22 de março.

É importante lembrar que a decisão final sobre o novo aeroporto será sempre política.

Este trabalho da Comissão Técnica Independente serve apenas para apoiar uma futura decisão do Governo.

Por isso, os técnicos limitam-se a apresentar as melhores soluções. Mas cabe ao Governo a última palavra neste processo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.