Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Por que motivo estão a ser reencaminhadas grávidas para hospitais privados?

Explicador Renascença

Por que motivo estão a ser reencaminhadas grávidas para hospitais privados?

03 jul, 2023 • Anabela Góis


​Um mês antes do previsto, o hospital de Santa Maria, em Lisboa, começou já a encaminhar grávidas para hospitais privados. Neste Explicador, vamos tentar perceber o que está na origem desta decisão.

O que está a levar ao reencaminhamento de grávidas para os privados?

O que se passa é que faltam médicos. Os obstetras do Hospital de Santa Maria recusam fazer horas extraordinárias, além das 150 por ano, previstas na lei. Assim sendo, sem médicos para assegurar as equipas, a administração do hospital decidiu enviar grávidas de baixo risco para hospitais privados.

É uma medida que já estava prevista no chamado plano “nascer em segurança no SNS”, mas só a partir de 1 de agosto, porque é quando quando a maternidade do Santa Maria vai fechar para obras e os partos serão transferidos o hospital de São Francisco Xavier.

Só que há uma guerra dos médicos com a administração, justamente, por causa da forma como vai ser feita a transferência dos partos. Já na semana passada - devem estar lembrados - Diogo Ayres de Campos foi afastado da direção do Departamento de Obstetrícia e vários chefes e subchefes das equipas da urgência apresentaram a demissão.

Falaste há pouco em grávidas de baixo risco e as restantes, para onde vão?

O que está previsto é que as grávidas de risco continuem a ser seguidas e a ter os bebés no Hospital de Santa Maria.

Só que ao que a Renascença apurou, nem para esses casos as equipas de obstetrícia estão asseguradas. Neste momento, o hospital só consegue garantir três médicos por dia, quando precisa de quatro. Segundo foi possível apurar, as escalas estão a ser refeitas e não está fora de hipótese o centro hospitalar ter de recorrer a médicos tarefeiros para conseguir completar as equipas.

Então e porque é que as grávidas não vão para o hospital São Francisco Xavier? Se estava previsto a partir de agosto, podiam antecipar ou não?

O problema é que o São Francisco Xavier tem a maternidade fechada aos fins de semana. Aliás, ontem, dia em que o Santa Maria anunciou que não tinha condições para atender todas as grávidas, o serviço do Hospital do Restelo estava encerrado. Além disso, também está em obras justamente para poder acomodar as parturientes que a partir de 1 de agosto não possam ir para Santa Maria.

Como é que as grávidas, que até agora eram seguidas em Santa Maria, sabem para que hospital é que vão? E como vão?

O que está previsto é que o encaminhamento seja programado, ou seja, quando o Santa Maria não tiver capacidade para fazer o parto fará a transferência para um dos hospitais privados que assinaram a convenção com o Ministério da Saúde e que são o Hospital da Luz, o Hospital da CUF e os Lusíadas.

Já no domingo à noite aconteceu a primeira e - ao que a Renascença apurou - já estão programadas mais duas transferências, uma amanhã e outra na quarta-feira.

O hospital de Santa Maria assegura em média entre 6 a 8 partos por dia, um pouco mais ao fim de semana por causa do encerramento de outras maternidades que fecham de forma rotativa, nomeadamente, a de Loures e do São Francisco Xavier.

E o ministério da saúde o que é que diz a esta situação?

Manuel Pizarro repete as palavras já habituais, garante "tranquilidade e segurança", embora admita que não está satisfeito com o que chamada de “conflitualidade” no hospital de Santa Maria. Mas, já agora, dizer que a Renascença também contactou a Direção executiva do SNS, que diz que, além deste caso específico do hospital Santa Maria, para já não está prevista qualquer alteração adicional ao Plano “Nascer em segurança no SNS”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.