Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
O rápido desenvolvimento da inteligência artificial é motivo para preocupação?

EXPLICADOR RENASCENÇA

O rápido desenvolvimento da inteligência artificial é motivo para preocupação?

13 jun, 2023 • Miguel Coelho


Esta terça-feira, os eurodeputados iniciam um debate com vista à aprovação de um conjunto de leis para controlar as tecnologias de inteligência artificial. Apesar dos seus largos benefícios, há receios sobre o seu desenvolvimento desenfreado, especialmente no que toca ao mercado laboral.

O Parlamento Europeu está a preparar a aprovação do primeira pacote de legislação com vista a controlar a ação da inteligência artificial, com um debate sobre o assunto a marcar a agenda de Estrasburgo esta terça-feira.

Em causa estão os possíveis riscos inerentes à tecnologia, que vão além de um "combate" entre humanos e robôs, como a ficção científica já tanto explorou.

A preocupação passa pelo desenvolvimento de programas informáticos inteligentes, como o famoso ChatGPT, que desde escrever textos a responder a dúvidas existenciais, faz quase de tudo.

Serão os receios sobre a inteligência artificial um excesso de medo do futuro?

Talvez, mas a verdade é que se colocam muitas questões éticas, legais e até filosóficas, como a violação de privacidade, a desinformação ou mesmo a manipulação política. As preocupações passam ainda pela violação dos direitos de autor ou até a substituição do pensamento humano e da arte pela inteligência artificial.

Há uma entrevista publicada pelo jornal Expresso, em que o artista plástico Leonel Moura, que foi pioneiro da arte produzida por robôs, afirma que a chamada inteligência artificial generativa vai destruir as artes tal como elas eram criadas até agora.

A verdade é que, hoje em dia, já é possível criar sem a intervenção humana, desde pinturas a poemas, o que quer que seja - o que não deixa de ser assustador.

Mas a inteligência artificial tem também muitas vantagens...

Claro e tem contribuído para uma evolução enorme em áreas como a Saúde. Ainda há poucas semanas, a imprensa destacou um dispositivo inovador que permitiu a um paraplégico holandês voltar a caminhar, com recurso precisamente à inteligência artificial.

As aplicações e vantagens desta tecnologia são infindáveis: permite realizar tarefas mais rapidamente - sobretudo as que, muitas vezes, seriam repetitivas -, tira dúvidas e elimina o fator erro humano. A inteligência artificial também não se cansa, não precisa de intervalos para tomar café e ajuda a tomar decisões racionais.

No entanto, estes benefícios aparentes acarretam também os seus receios, como o risco de muita gente perder o emprego, cujas funções se tornarão dispensáveis.

Com ou sem receios, a inteligência artificial é uma realidade imparável, não?

Sim, a questão é ver até que ponto pode ser controlada. É isso que está em debate em Estrasburgo. No caso do regulamento que vai ser votado no Parlamento Europeu, incluem-se regras que pretendem garantir que a inteligência artificial é usada de forma ética e sem riscos para os seres humanos, que assegurem a privacidade e a não discriminação, sempre com "supervisão humana".

Desta forma, podem ser proibidos sistemas de inteligência artificial que tenham níveis de risco considerados inaceitáveis. Todavia, mesmo que esta legislação venha a ser aprovada, ainda vai ter de ser negociada com o Conselho Europeu. Ainda deverá demorar até entrar em vigor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.