Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
A governabilidade
Ouça o programa desta semana

Conversas Cruzadas

A governabilidade

23 jul, 2023 • José Bastos


Nuno Botelho, Ramón Font, Pereira Ramos e Carvalho da Silva na análise das eleições espanholas.

Há apetite de eleições em Espanha. As previsões apontam para uma afluência às urnas acima dos dados de 2019. A tendência é também antecipada pelos pedidos de votos por correio. Nem as férias ou as sucessivas ondas de calor diminuem o interesse dos cidadãos pelo futuro político do seu país.

Mas os votos estão a ser hoje depositados em urna no meio da mesma atmosfera de incerteza a subsistir, eleição após eleição, desde 2015, com o fim do ‘bipartidismo’. Os espanhóis votam sem saber qual será a fórmula final de governabilidade. De novo haverá somas para se obter os 176 assentos parlamentares, garantia de tomada de posse do primeiro-ministro.

A maioria das sondagens antecipa a vitória de Alberto Nuñez Feijóo, mas discrepam se o líder do PP vai conseguir a maioria com o VOX. Os socialistas não se dão por vencidos e asseguram registar-se um empate de intenções de voto entre dois blocos – PP e VOX, à direita, e PSOE e SUMAR, à esquerda. Se o PP e VOX não atingirem os 176 deputados, o mais previsível é não haver saída para a governabilidade, determinando a repetição de eleições. Pedro Sánchez continuaria na Moncloa e começaria outra corrida.

O país enfrenta um teste de grande magnitude política que vai graduar a rejeição a Sánchez e ao governo da coligação de esquerda, o primeiro da democracia espanhola. Também se avalia o receio ao VOX, da direita radical, com o seu discurso negacionista das alterações climáticas e contra a imigração. Igualmente se irá aferir o estado do movimento independentista na Catalunha e a luta entre nacionalistas dos dois espectros – PNV e EH Bildu – no País Basco. Depois das respostas aproximadas das sondagens, as dúvidas serão esclarecidas, logo mais, nas urnas.

A análise é de Nuno Botelho, líder da ACP – Câmara de Comércio e Indústria, Manuel Carvalho da Silva, sociólogo, professor da Universidade de Coimbra, Ramón Font, jornalista, ex-delegado da Generalitat em Portugal, e Manuel Pereira Ramos, correspondente RR em Madrid.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.