Atraso empurra final das obras na Linha do Norte em Gaia para o segundo semestre
09-02-2024 - 08:16
 • Lusa

A intervenção entre Espinho e Vila Nova de Gaia está orçamentada em 55,3 milhões de euros e iniciou-se em julho de 2020.

O prazo de conclusão das obras na Linha do Norte entre Espinho e Vila Nova de Gaia voltou a atrasar-se, prevendo agora a Infraestruturas de Portugal (IP) terminar a empreitada no segundo semestre, quando anteriormente previa o primeiro.

Em resposta a questões sobre a empreitada que começou em julho de 2020, fonte oficial da IP declarou que estará concluída até ao final de junho.

"Já estão concluídas ou em fase de conclusão o alteamento/alargamento de plataformas de passageiros nas estações de Gaia-Devesas e da Granja e dos apeadeiros de Aguda, Miramar, Francelos, Valadares e Coimbrões", refere a IP na resposta à Lusa, estando "em execução os trabalhos de alteamento/alargamento de plataformas no apeadeiro de Madalena".

Atualmente, estão em construção uma passagem inferior para tráfego rodoviário ligeiro e duas passagens inferiores rodoviárias, estando já concluídas ou em fase de conclusão cinco passagens rodoviárias inferiores para ligeiros e outra rodoviária para todo o tipo de tráfego. Quanto aos peões, já foram construídas cinco passagens inferiores e quatro passagens superiores.

Relativamente às passagens superiores na Aguda e Granja, "prevê-se a abertura da passagem superior do apeadeiro da Aguda no prazo de um mês se não houver ocorrência de condições meteorológicas adversas". Já na Granja, prevê-se a conclusão dos trabalhos "até ao final do primeiro semestre do corrente ano".

Recorde-se que a IP já pôs a concurso, por 50 mil euros, estudos para passagens inferiores na Granja e Aguda, em Gaia, na sequência de um protocolo de 2022 celebrado após protestos das populações contra as passagens superiores instaladas.

Face aos protestos, e depois de manifestações contra as estruturas apelidadas pela população de "mamarracho", "escarro arquitetónico" ou "muro de Berlim" e edificadas no âmbito da renovação da Linha do Norte entre Espinho (distrito de Aveiro) e Vila Nova de Gaia (distrito do Porto), foi celebrado um protocolo, em julho de 2022, que previa o estudo de soluções de passagens por debaixo da linha.

"O estudo de viabilidade consistirá numa análise técnica para a identificação das várias soluções e quantificação das intervenções a realizar na envolvente da infraestrutura para desnivelamento, que permita a passagem de peões na Estação de Granja e Apeadeiro de Aguda", referiu fonte oficial da IP à Lusa, em agosto.

A conclusão total da intervenção chegou a estar prevista para 2023, mas a empreitada "sofreu vários impactos com relevância no prazo, decorrentes dos constrangimentos que se vêm registando no mercado da construção, designadamente, quanto à disponibilidade e prazo de fornecimento de materiais e às dificuldades sentidas pelos empreiteiros e subempreiteiros na contratação de meios humanos e de equipamentos".

A intervenção entre Espinho e Vila Nova de Gaia, realizada ao abrigo do programa Ferrovia 2020, está orçamentada em 55,3 milhões de euros e iniciou-se em julho de 2020.

Inicialmente, aquando do lançamento do programa Ferrovia 2020, em 2016, estava previsto que as obras decorressem entre 2017 e 2019.