Tempo
|
Autárquicas 2021
34,22%
148Câmaras
13,2%
72Câmaras
10,81%
31Câmaras
8,21%
19Câmaras
5,54%
19Câmaras
4,16%
0Câmaras
2,75%
0Câmaras
1,5%
6Câmaras
1,3%
0Câmaras
14,18%
13Câmaras
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 46,35%
  • Votos Nulos: 1,58%
  • Votos em Branco: 2,50%

A+ / A-

Japão

"Pai" do Sudoku morre aos 69 anos

17 ago, 2021 - 07:55 • Lusa

Maki Kaji inventou a versão moderna do jogo na década de 80. O nome japonês é uma contração da frase "os números devem ficar sozinhos".

A+ / A-

Maki Kaji, o homem que popularizou o jogo Sudoku, dando-lhe o nome japonês por que ficou conhecido, nos anos 1980, morreu aos 69 anos, anunciou a sua editora, em comunicado.

"Kaji-san, conhecido como o homem que deu o nome ao Sudoku, era amado pelos amantes de 'puzzles' do mundo inteiro", pode ler-se no site da Nikoli Publishing House, que fundou.

De acordo com a nota, Maki Kaji morreu no dia 10 de agosto, de cancro biliar.

O conceito original do jogo, o "quadrado latino", foi inventado na Europa do século XVIII por um matemático suíço, Leonhard Euler. A versão moderna, com uma subdivisão em nove quadrados com nove quadrículas, foi descoberta numa revista norte-americana, no início da década de 1980, por Maki Kaji, que depois a importou para o Japão.

Encontrar um novo puzzle é "como encontrar um tesouro", disse Maki à BBC, em 2007.

O nome japonês Sudoku é uma contração da frase "os números devem ficar sozinhos".

O jogo espalhou-se pelo mundo quando Wayne Gould, um juiz reformado de Hong Kong, apreciador de quebra-cabeças, decidiu em 1997, depois de descobrir o Sudoku no Japão, escrever um programa de computador que gera grelhas do popular jogo.

O jogador tem de completar uma grelha de 9 por 9 (81 quadrados) com números de 1 a 9, de tal forma que nenhum apareça duas vezes na mesma linha, coluna ou sub-quadrado.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+