Tempo
|
A+ / A-

Lisboa

Artistas de rua vão manifestar-se contra exclusão dos apoios. "Para salvar uns, não se devem deixar morrer outros"

30 abr, 2021 - 12:35 • Lusa

A par desta ação contestatária, os artistas dispõem-se a participar ativamente na procura de soluções mais "justas e abrangentes" que protejam todos os setores culturais afetados.

A+ / A-

Veja também:


Os artistas de rua promovem, no sábado, uma ação de protesto na baixa de Lisboa, com demonstração das suas artes cénicas, para contestar a sua exclusão dos apoios concedidos durante a vigência das medidas de combate à Covid-19.

"Um grupo de artistas de rua que está há mais de um ano sem trabalhar e sem qualquer apoio vai levar a efeito no próximo sábado, dia 1 de maio, pelas 15h00, a começar no Rossio e marchando até à Praça Camões, uma manifestação/performance de alto impacto visual e de mensagem, alertando para os tempos por que passamos. Iremos utilizar uma linguagem teatral sarcástica e um visual apocalíptico", anunciou um dos artistas, António Santos, conhecido como Homem Estátua.

A par desta ação contestatária, os artistas dispõem-se a participar ativamente na procura de soluções mais "justas e abrangentes" que protejam todos os setores culturais afetados.

Num manifesto, que acompanha a convocatória para a manifestação, os artistas de rua "e outros excluídos" contestam as medidas de apoio adotadas que deixaram de fora alguns setores da sociedade.

"Nas medidas em vigor, a sobrevivência baseada no nosso trabalho, na nossa arte, foi completamente ignorada. Para salvar uns, não se devem deixar morrer outros. Esse lema deve ser geral", afirmam, posicionando-se como "críticos de algumas das soluções adotadas".

É o caso do "estatuto do artista", no qual "nada existe em relação aos artistas de rua".

Os proponentes do manifesto recordam que as medidas para contenção da pandemia lesaram muitos setores de atividade, que "alguns foram atingidos gravemente", como o setor cultural, e, dentro do setor cultural, "muitos foram atingidos mortalmente, como é o caso dos artistas e animadores de rua".

"Anunciamos a nossa disponibilidade para, junto das entidades respetivas, colaborarmos na procura de medidas socioeconómicas de acompanhamento da crise mais justas e abrangentes", afirmam, salientando que a manifestação/performance que vão promover "é completamente apartidária".

Contudo, lançam um repto à luta pela sobrevivência da democracia, nestes tempos em que "os virtuosos parecem ser aqueles que tudo aceitam sem questionar".

Os artistas pretendem, com esta ação e recurso a algumas técnicas das suas artes, dar "um grito de alerta" para a sua situação e lançar uma "interrogação" a algumas das soluções encontradas e à "falta de outras tantas", que levaram a que parassem completamente as suas vidas.

Terminam o manifesto lembrando: "Somos profissionais sem estatuto reconhecido em Portugal. O Governo esqueceu que existimos. Por isso gritamos. Poderemos ser considerados os sem abrigo da cultura. Mas existimos. Com as últimas forças que nos restam. Estamos aqui".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+