Tempo
|
A+ / A-

UNESCO

Jornalista filipina Maria Ressa distinguida com Prémio Mundial da Liberdade de Imprensa

27 abr, 2021 - 23:53 • Lusa

Com dupla cidadania, das Filipinas e dos EUA, Maria Ressa foi uma das Pessoas do Ano escolhidas pela Time, em 2018, numa capa dedicada aos jornalistas.

A+ / A-

O Prémio Mundial da Liberdade de Imprensa UNESCO/Guillermo Cano foi atribuído à jornalista de investigação filipina Maria Ressa, por recomendação de um júri internacional de profissionais dos meios, anunciou esta terça-feira a organização, baseada em Paris.

As investigações de Maria Ressa, de 57 anos, diretora do meio em linha Rappler, valeram-lhe nos últimos anos numerosos processos judiciais, várias detenções, ameaças e assédio em linha, salientou a agência da Organização das Nações Unidas para a cultura, a ciência e a cultura (UNESCO, na sigla em Inglês).

Esta ex-jornalista de investigação no sudeste asiático para a estação televisiva norte-americana CNN, envolvida na defesa da liberdade de imprensa, "já foi detida por alegados delitos ligados ao exercício da sua profissão", e "chegou a receber, em média, mais de 90 mensagens de ódio na Facebook", detalhou a UNESCO.

"O combate infalível de Maria Ressa pela liberdade de expressão é um exemplo para numerosos jornalistas no mundo", declarou o presidente do júri internacional do Prémio, Marilu Mastrogiovanni.

"O seu caso é emblemático das tendências mundiais que representam uma ameaça real à liberdade de imprensa e, portanto, à democracia", acrescentou esta jornalista de investigação italiana, citada no comunicado da UNESCO.

Com dupla cidadania, das Filipinas e dos EUA, Ressa foi uma das Pessoas do Ano escolhidas pela Time, em 2018, numa capa dedicada aos jornalistas.

Entre os assuntos que lhe valeram problemas estão a cobertura do combate às drogas pelo presidente filipino ou a ligação de um empresário ao tráfico de droga e a outras atividades ilegais.

A coligação internacional de meios de informação One Free Press Coalition tem-na colocado na sua lista mensal de jornalistas perseguidos ou para quem exige justiça.

A cerimónia de entrega do Prémio, dotado de 250 mil dólares, com o nome de um jornalista colombiano assassinado em 1986, vai ser divulgada em linha em 02 de maio, a partir da capital da Namíbia, Windhoek.

De 29 de abril a 3 de maio, a UNESCO organiza em Windhoek uma "Conferência da Jornada Mundial da Liberdade de Imprensa", celebrada em 03 de maio, que deve ser "a ocasião para os jornalistas profissionais e outros atores do setor dos meios reclamarem medidas urgentes, para enfrentarem as ameaças que pesam sobre os meios de informação independentes e locais do mundo, agravadas pela pandemia" do novo coronavírus.

Durante os cinco dias desta conferência devem realizar-se cerca de 40 sessões, incluindo tês debates temáticos sobre os problemas que afetam a viabilidade dos meios, a transparência nas plataformas eletrónicas e a forma de reforçar a educação para os meios e a informação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+