Tempo
|
A+ / A-

Teatro

Rui Mendes. “Os artistas estão numa fase muito difícil. Há países onde os teatros já fecharam”

13 nov, 2020 - 06:49 • Maria João Costa

Nesta sexta-feira, estreia a peça “O Prelúdio ao Rei Lear”, no Teatro Joaquim Benite. Rui Mendes é o protagonista. Aos 83 anos, fala das dificuldades com a pandemia e diz ter esperança “que o vírus se canse”.

A+ / A-

Diz que já não é criança e que não tem 38 anos. Para saber a sua idade, explica a rir, é preciso virar os números ao contrário. Aos 83 anos, Rui Mendes estreia, nesta sexta-feira, no Teatro Joaquim Benite, em Almada, a peça “Prelúdio ao Rei Lear”, escrita pelo dramaturgo húngaro Ferenc Molnár.

Com encenação de Rodrigo Francisco, a peça estará em cena até 6 de dezembro, mas até dia 22 de novembro apenas de terça a sexta-feira, às 21horas.

Escrita em 1921, esta peça é uma comédia, diz o ator em entrevista ao programa Ensaio Geral da Renascença. Rui Mendes veste o papel de um ator, de seu nome Constantino Brandão, e explica que “Prelúdio ao Rei Lear” é “uma homenagem ao Shakespeare, inspirada no Rei Lear e passa-se no dia em que vai estrear a peça”.

Mas porque se trata exatamente de um “Prelúdio”, a peça passa-se antes de os atores entrarem em cena para representar esse clássico maior do teatro, de William Shakespeare. O Rei Lear terá de esperar.

Rui Mendes conta que, “uma hora antes da estreia do Rei Lear, o Constantino Brandão está muito nervoso porque se meteu numa grande alhada sentimental com uma senhora casada. O marido percebeu tudo e ele chega ao teatro perseguido pelo marido. O marido tenta vingar-se e prejudica toda a preparação para a estreia da peça”.

É para o público se rir, explica o ator que no ano passado foi homenageado no Festival de Teatro de Almada. Rui Mendes indica que o público “vai ver o teatro por dentro”, porque esta é uma peça que fala do teatro.

“Discutem-se coisas muito engraçadas como, o que é o ator no dia da estreia, como representa, como é que chora, como é que ri. É uma grande homenagem ao teatro”, afirma.

O lado burlesco desta peça é-nos explicada pelo seu encenador, Rodrigo Francisco. O também diretor do teatro indica que o marido enganado “é um professor universitário, especialista em Shakespeare” e que isso confere o lado ainda mais cómico a toda a peça.

Em palco, Rui Mendes vai contracenar com um “elenco jovem”, refere Rodrigo Francisco. André Albuquerque, André Gomes, Érica Rodrigues, Ivo Marçal, João Farraia, João Gadelha, João Tempera e Pedro Walter são os atores que vão partilhar o palco com Mendes.

Pandemia já fechou muitos teatros na Europa

Aos 83 anos, Rui Mendes enfrenta os atuais momentos de pandemia com apreensão. Sublinha que está sempre a lavar as mãos, usa máscara e tem todos os cuidados. “Estamos a viver de facto uma época muito difícil”, aponta o artista, acrescentando que essas dificuldades não afetam só as gentes do teatro, mas “toda a gente”.

Tenho esperança de que, um dia, o vírus se canse e desapareça! Se remeta à sua insignificância, que não é assim tão pequena como isso!”, desabafa o protagonista da peça “Prelúdio ao Rei Lear”.

Falando em específico da classe artística, Rui Mendes é perentório: “os artistas, os profissionais da cultura estão a passar por uma fase muito difícil e complicada. Já há vários países da Europa onde os teatros fecharam. Em Portugal, felizmente temos os teatros abertos”.

“Continua a haver público”, refere Rui Mendes que espera por ele até dia 22, de terça a sexta-feira às nove da noite e depois, até dia 6 de dezembro, com fins de semana incluídos, para ver comédia “Prelúdio ao Rei Lear”, no Teatro Joaquim Benite, em Almada.
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+