Tempo
|
A+ / A-

1927-2022

Unidade e fé sob Bento XVI. Os documentos que marcaram um pontificado

31 dez, 2022 - 10:18 • Filipe d'Avillez

A unidade dos cristãos e a renovação da fé na Igreja foram dois dos temas mais marcantes do pontificado de Bento XVI, como atestam os principais documentos desses anos.

A+ / A-

O último documento de peso publicado por Bento XVI aborda um tema que atravessou todo o seu pontificado. Em “Porta Fidei”, ou “A Porta da Fé”, o Papa introduziu o “Ano da Fé”, entre outubro de 2012 e novembro de 2013.

Esta não foi a primeira vez que Bento XVI abordou o tema da crise de fé que assola o mundo, nomeadamente o mundo ocidental desenvolvido. “Desde o princípio do meu ministério como Sucessor de Pedro, lembrei a necessidade de redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo”, lê-se logo no segundo parágrafo do documento.

O Papa dirige-se a um mundo que encara a fé como um dado adquirido e por isso esqueceu a necessidade de a manter viva. “Não podemos aceitar que o sal se torne insípido e a luz fique escondida. Também o homem contemporâneo pode sentir de novo a necessidade de ir como a samaritana ao poço, para ouvir Jesus que convida a crer n’Ele e a beber na sua fonte, donde jorra água viva. Devemos readquirir o gosto de nos alimentarmos da Palavra de Deus, transmitida fielmente pela Igreja, e do Pão da vida, oferecidos como sustento de quantos são seus discípulos”.

No contexto deste esforço para reacender a fé na Europa e no mundo ocidental, o Papa tomou várias iniciativas, nomeadamente a proclamação do Ano da Fé, mas também a convocação de um sínodo de bispos para discutir a nova evangelização e a redação de uma encíclica, prevista para 2013, sobre o assunto. A encíclica correspondente não foi publicada antes da sua resignação, que teve efeito a 28 de fevereiro de 2013, mas surgiu mais tarde, já com a assinatura de Francisco, mas com este a reconhecer que muito do texto era da autoria do seu antecessor. O resultado deste esforço conjunto, foi “Porta Fidei”, ou “A Porta da Fé”.

Mas porque a fé deve ser apreendida por exemplo e no seio da comunidade, o Papa também decidiu, em 2012, proclamar dois novos doutores da Igreja, figuras de destaque que fizeram um importante contributo para o esclarecimento doutrinal e teológico na Igreja.

Através de dois documentos os santos João de Ávila e Hildegard von Bingen são elevados a esse estatuto, descritos como “uma luz para o seu povo e para o seu tempo”, no caso de Hildegard e “pregador evangélico”, no caso de João de Ávila.

O Papa da Unidade

Um dos documentos mais polémicos e inovadores de Bento XVI foi publicado em 2009 e abriu efetivamente uma porta para que os Anglicanos de pendor conservador pudessem entrar em comunhão com a Igreja Católica mantendo aspetos do seu património litúrgico e espiritual.

Anglicanorum coetibus”, que significa “grupos de anglicanos”, marca um romper com o modelo de diálogo ecuménico que se tinha desenvolvido há décadas com a Igreja Anglicana e parece simbolizar que Roma deixou de acreditar na possibilidade de esta comunhão alguma vez poder ser reintegrada na Igreja Católica. Para isso contribuem decisões de rutura, como a ordenação de mulheres para o sacerdócio e para o episcopado e um desvio teológico para longe da tradição apostólica, que leva a relativismo institucionalizado e, no campo da moral, uma aceitação da homossexualidade, por exemplo, que vê algumas igrejas a sagrar bispos assumidamente em relações homossexuais.

Enquanto os opositores lamentaram a forma como a decisão foi tomada e comunicada, sem consultar, por exemplo, o arcebispo de Cantuária da altura, os defensores do Papa, sobretudo os anglicanos que beneficiam do gesto, apelidam-no de “Papa da Unidade”.

Esta preocupação pela unidade manifesta-se também em relação à China, uma potência mundial que insistia em não reconhecer a autoridade de Roma sobre os católicos no seu território, mantendo a existência de uma “Igreja oficial”, com bispos nomeados pelo Partido Comunista. Só durante o pontificado de Francisco é que se chegou a um acordo com o regime chinês para regularizar a situação da nomeação dos bispos.

A situação na China é muito complexa e levou Bento XVI a escrever uma carta aos católicos chineses, em 2007. Nela o Papa encorajava os católicos a manterem-se firmes na fé e reafirmava a posição da Igreja Católica Romana de que apenas ele tem autoridade para nomear bispos, ao contrário do que defendia o Governo. O Papa instaurou também uma jornada anual de oração pela China.

A carta foi bem recebida pelos bispos chineses, sobretudo os que são fiéis a Roma, mas da parte do Governo não se verificou qualquer sinal de abertura ao Vaticano.

Restaurar a fé pela liturgia

É também de 2007 a constituição apostólica “Summorum Pontificum”, que liberaliza a celebração da missa segundo o rito antigo, conhecido informalmente como rito tridentino e formalmente como forma extraordinária.

Já se falava deste gesto desde a eleição de Joseph Ratzinger e ele pode ser encarado como uma manobra de boa vontade não só para com facões tradicionalistas que se encontram em rutura com Roma, como a Sociedade de São Pio X, mas também para com católicos conservadores que se sentem ignorados e frustrados com os abusos litúrgicos que se fazem sentir em muitas igrejas.

Mas o “Summorum Pontificum” traduzia também uma preocupação de Bento XVI pela liturgia e a sua estreita relação com a vivência da fé individual e comunitária. Uma observação atenta às celebrações litúrgicas do Papa revela que este se preocupava sobretudo em imprimir uma solenidade e reverência que terão sofrido alguma erosão com as reformas do Concílio Vaticano II.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+