Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Abramos o nosso coração aos refugiados", pede o Papa

20 jun, 2021 - 12:07 • Aura Miguel

Francisco uniu-se ainda ao apelo dos bispos para criação de corredores humanitários em Myanmar.

A+ / A-
"Abramos o nosso coração aos refugiados", pede o Papa
"Abramos o nosso coração aos refugiados", pede o Papa

“Abramos o nosso coração aos refugiados”, pediu Francisco no Vaticano. O Papa associou-se à celebração do Dia Mundial do Refugiado, promovida pelas Nações Unidas, sobre o tema ‘Juntos, podemos fazer a diferença’.

“Façamos nossas as suas tristezas, as suas alegrias, aprendamos com a sua resiliência corajosa. Assim, todos juntos, faremos crescer uma comunidade mais humana, uma só grande família”, disse após a recitação da oração do angelus.

O tema dos refugiados foi também abordado pelo Papa nas reflexões antes da oração, dedicada à importância de pedir ajuda a Deus. Francisco revelou ter visto na televisão italiana o programa dominical “À sua imagem”, dedicado ao Dia do Refugiado, em que “tantos que chegam nos barcos, quando se estão a afogar, gritam Salva-nos! Também na nossa vida acontece o mesmo: Senhor, salva-nos! E a oração transforma-se em grito.”

A Amnistia Internacional organiza este domingo uma vigília em Lisboa, à beira Tejo, junto à praça Europa, local simbólico para aludir às "portas da Europa', onde pretende chamar a atenção, incluindo do primeiro-ministro, para os problemas de acolhimento dos refugiados.

A Amnistia Internacional organiza este domingo uma vigília em Lisboa, à beira Tejo, junto à praça Europa, local simbólico para aludir às "portas da Europa', onde pretende chamar a atenção, incluindo do primeiro-ministro, para os problemas de acolhimento dos refugiados.

Durante a iniciativa, a AI quer entregar o manifesto 'Eu Acolho' com mais de 15 mil assinaturas a António Costa. O texto pede aos líderes políticos a "criação de rotas legais e seguras, a partilha de responsabilidades no acolhimento entre todos os Estados europeus e o desenvolvimento de mecanismos que garantam um melhor acolhimento e integração dos refugiados".

Papa não esquece Myanmar

O Papa alertou para a crise humana em Myanmar (antiga Birmânia), com populações afetadas pela fome e a violência.

“Uno a minha voz à dos bispos do Myanmar, que na última semana lançaram um apelo, chamando a atenção de todo o mundo a experiência angustiante de milhares de pessoas, que nesse país estão desalojadas e estão a morrer de fome”, referiu Francisco, desde a janela do apartamento pontifício.

O Papa uniu-se ao apelo dos bispos católicos, pedindo que sejam abertos corredores humanitárias e que as igrejas, pagodes, mosteiros, mesquitas, templos, bem como escolas e hospitais, sejam “respeitados como locais neutros, de refúgio”.

“Que o coração de Cristo toque o coração de todos, levando a paz ao Myanmar”, concluiu.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+