Tempo
|
Autárquicas 2021
34,22%
148Câmaras
13,2%
72Câmaras
10,81%
31Câmaras
8,21%
19Câmaras
5,54%
19Câmaras
4,16%
0Câmaras
2,75%
0Câmaras
1,5%
6Câmaras
1,3%
0Câmaras
14,18%
13Câmaras
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 46,35%
  • Votos Nulos: 1,58%
  • Votos em Branco: 2,50%

A+ / A-

Clima. Costa diz que relatório confirma "acerto da prioridade" do Governo

10 ago, 2021 - 11:19 • Lusa

"Fomos os primeiros a comprometer-nos com a neutralidade carbónica em 2050", indica o primeiro-ministro. Relatório da ONU antecipa subida da temperatura global para 2030, 10 anos antes da estimativa anterior.

A+ / A-

O primeiro-ministro defendeu nesta terça-feira que o "alerta vermelho" dado pelo relatório da ONU sobre o clima "confirma o acerto" da "prioridade estratégica" do Governo, apontando a necessidade de atingir a neutralidade carbónica em 2050.

"Alerta vermelho da ONU [Organização das Nações Unidas] confirma o acerto da nossa prioridade estratégica. Fomos os primeiros, logo em 2016, a comprometer-nos com a neutralidade carbónica em 2050. O percurso até 2030 é decisivo", lê-se numa mensagem de António Costa na rede social Twitter.


O primeiro-ministro aponta ainda para medidas como "mais eficiência energética e energia renovável; investir na economia circular, no uso eficiente da água e na mobilidade sustentável; reformar a floresta e liderar a agenda dos Oceanos".

"Em suma, cumprir o programa do @govpt [Governo], executar o Roteiro Neutralidade Carbónica 2050", conclui.


No sexto relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), divulgado na segunda-feira, os cientistas preveem que a temperatura global subirá 2,7 graus Celsius em 2100, se se mantiver o atual ritmo de emissões de gases com efeito de estufa.

Em todos os cenários considerados pelos peritos – do mais otimista ao mais pessimista –, a temperatura global ultrapassa os 1,5 graus centígrados, em comparação com a era pré-industrial, até 2030, ou seja, 10 anos antes da estimativa anterior do IPCC, feita há três anos.

No documento, os cientistas alertaram também que os efeitos do aquecimento global vão perdurar "séculos ou milénios" e resultam inequivocamente de responsabilidade humana.

O relatório é divulgado poucos meses antes da realização da 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP26) e num momento em que as notícias de países afetados por vagas de calor, incêndios ou inundações têm marcado a atualidade.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, já disse que este relatório sobre o clima é um "alerta vermelho" que deve fazer soar os alarmes sobre as energias fósseis que "destroem o planeta".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    10 ago, 2021 Leiria 11:15
    Pois...........Comprometemo-nos com a neutralidade carbónica, mas andamos a 200km/hora nas estradas. Que hipocrisia.

Destaques V+