Tempo
|
A+ / A-

Análise

A cada congresso um psicodrama

30 mai, 2021 - 22:30 • Susana Madureira Martins

Um fim de semana de tensão entre militantes, o empate numa votação, discussões entre o palco e a plateia – foi assim o congresso do Chega.

A+ / A-

Votações repetidas para os órgãos nacionais, gritaria entre um congressista que intervém na tribuna e outro que está na plateia, pateadas e vaias durante intervenções.

É um cenário que se repete e já se pode dizer que congresso do Chega já não é congresso se não houver uma qualquer reviravolta eleitoral ou uma divergência ideológica que, a cada momento, faz com que dirigentes nacionais e congressistas flutuem entre "os nossos inimigos estão lá fora" e o exato contrário, "os nossos inimigos também estão cá dentro".

Tensão e mais tensão entre militantes e, este fim de semana, um mais que improvável empate numa eleição para o principal órgão do partido, a Mesa Nacional do Congresso, que obrigou a repetir a votação para, por fim, reeleger Luís Graça, contra a lista do assessor parlamentar do líder, Manuel Matias, antigo dirigente do PPV, partido que esteve no centro de outra discussão ideológico-religiosa da reunião de Coimbra.

Foi tão assim o congresso de Coimbra como já o tinha sido em setembro, em Évora, em que o líder do partido sujeitou por três vezes a lista para a direção nacional. Neste fim de semana a lista passou à primeira, mas não sem antes ter havido um psicodrama em torno da saída de dois vice-presidentes, José Dias e Nuno Afonso, que não deixaram de publicamente mostrar o profundo descontentamento por terem sido afastados.

Tal como em setembro, também os convidados institucionais assistiram à confusão dentro da sala do Congresso e saíram de fininho quando a confusão se tornou caótica, com a repetição de votações. Das duas vezes, em Évora e em Coimbra, foi o que aconteceu à secretária do Conselho de Estado, Rita Magalhães Colaço, em representação da Presidência da República.

A possível explicação para o psicodrama reiterado é dada pelo próprio Ventura. No sábado, no discurso de apresentação da moção estratégica, assumiu as divergências profundas que existem no partido e classificou-as como "dores de crescimento", na certeza de que ninguém corre para um abismo delirante, mas para "o governo de Portugal" que o líder do Chega dá como garantido e "destinado".

Ventura não vai tão longe como em tempos a ex-líder do CDS Assunção Cristas. Não, as "dores de crescimento" ainda não permitem que o líder do Chega diga que quer ser ou que vai ser primeiro-ministro, mas tem a certeza que "o tempo do PSD a mandar na direita se não acabou, está a acabar", assim sem moderação. Discurso moderado ou "fofinho" nem pensar, agora o tom é sempre a subir e Rui Rio não será impedimento. Ou será? A vingança pode servir-se fria a uma criança de dois anos e meio com "dores de crescimento"?

A melhor prova do pudim é comê-lo. Nos Açores a prova já começou. Aceitará Rio comer este Ventura? Ao terceiro dia de Congresso o líder do PSD mandou dar meia volta à delegação que iria a Coimbra assistir ao encerramento do Congresso. Rio não terá gostado que Ventura o tivesse classificado como "muito mau líder do PSD".

O líder do Chega ironizou com um "nem vou dormir esta noite", mas o comunicado da direção social-democrata termina com um sibilino "o PSD, pelo seu lado, é igualmente livre para escolher a resposta que entende como mais adequada às opções seguidas pelos seus adversários". Sim, sublinhemos, "adversários", para memória futura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Atento
    31 mai, 2021 Leça da Palmeira, Matosinhos 08:15
    A "RR" como habitualmente junta-se a "tudo" o que é esquerda "bem pensante" ... confirmado ...

Destaques V+