Tempo
|
A+ / A-

Congresso do Chega

Nem moderado, nem CDS 2.0. "Os portugueses é que nos vão colocar no Governo", diz Ventura

29 mai, 2021 - 01:10 • Susana Madureira Martins

No futuro imediato, Ventura diz que o objetivo do Chega é ser a terceira força política mais votada já nas eleições autárquicas deste ano. "Este partido não nasceu para protestar, nasceu para ganhar e nós vamos ganhar muitas destas eleições autárquicas", disse.

A+ / A-

O líder do Chega, André Ventura, pede um mandato claro para negociar e fazer exigências ao PSD nas próximas eleições legislativas.

Na intervenção com que abriu os trabalhos do congresso do Chega, que decorre este fim de semana em Coimbra, Ventura pediu aos militantes “um mandato claro para que não venham, no dia a seguir às eleições, sejam elas quando forem dizer que o Chega tem de viabilizar o governo A ou o governo B”.

Para o líder do Chega, o voto a favor da sua direção só fará sentido “se acreditarem mesmo no que eu vos estou a dizer”.

“Não vamos negociar com o PSD, vamos impor ao PSD. Não vamos pedir para ser governo, os portugueses é que nos vão colocar no governo de Portugal”, concluiu.

De resto, em resposta ao desafio vindo do lado social-democrata para que adote um discurso mais moderado, André Ventura não só voltou a recusar tal cenário como foi mais longe e rotulou Rui Rio como “um muito mau líder do PSD”.

E não esqueceu o CDS: “Quando nos dizem que, para chegarem ao poder, têm de ser mais moderados, mais equilibrados, têm que conter as palavras, nós devemos perceber sempre o quê que estão a exigir de nós. Se é para fazer o mesmo que outros partidos fizeram nos últimos 46 anos, nós não queremos ser mais moderados. Se é para ser uma espécie de CDS 2.0, nós não queremos ser mais moderados”.

Um recado que serve também para aqueles que, dentro do Chega, pedem outro registo ao líder do partido.

Quanto ao futuro imediato, as eleições autárquicas do próximo outono, André Ventura definiu uma meta sem “meias medidas”.

“Para nós, um resultado aceitável será sermos a terceira força política nas eleições autárquicas deste ano. Porque este partido não nasceu para protestar, nasceu para ganhar e nós vamos ganhar muitas destas eleições autárquicas”, rematou o líder do Chega cuja moção será apresentada e votada este sábado, dia em que vão ser apreciadas e votadas cerca de 70 moções.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    29 mai, 2021 Lisboa 00:24
    Mas quem é que este senhor pensa que é para julgar que fala pelos portugueses? Eu não voto neste senhor e nem a maioria do povo português o fará.

Destaques V+