Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Chega propõe até cinco anos de prisão para fraudes com vacinas

06 fev, 2021 - 20:53 • Lusa

O Chega propôs hoje a criação do crime de "desvio indevido de recursos médico-cirúrgicos", versando por exemplo as atuais vacinas da covid-19, prevendo penas de até cinco anos de prisão se praticado em estado de emergência ou calamidade.

A+ / A-

O Chega propôs este sábado a criação do crime de "desvio indevido de recursos médico-cirúrgicos", versando por exemplo as atuais vacinas da covid-19, prevendo penas de até cinco anos de prisão se praticado em estado de emergência ou calamidade.

Segundo o documento que vai ser entregue no parlamento e a que a Agência Lusa teve acesso, o deputado André Ventura avançou para um aditamento ao código penal acrescentando-lhe um artigo dividido em dois pontos.

"Quem, por si ou por interposta pessoa, der ou aceitar, para si ou para terceiro, vacina, medicamento ou qualquer recurso de natureza médico-cirúrgica, em violação das regras previamente definidas para a sua administração, aplicação ou distribuição, é punido com pena de prisão até três anos, se pena mais grave não lhe couber por força de outra disposição penal", prevê a proposta.

Já "quando a conduta acima referida ocorrer durante estado de emergência ou estado de calamidade, relacionados nos seus pressupostos com a severa alteração das condições de saúde pública vigentes, o agente é punido com pena de prisão de dois a cinco anos de prisão".

O Ministério Público já abriu inquéritos em relação a casos que envolvem o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de Lisboa e do Porto, a Segurança Social de Setúbal e outras instituições onde há indícios de irregularidades na vacinação contra a covid-19, nomeadamente de pessoas que não faziam parte das listagens de casos prioritários.

Quarta-feira, o coordenador do grupo de trabalho responsável pelo Plano de Vacinação contra a covid-19, Francisco Ramos, demitiu-se, alegando ter descoberto anomalias na vacinação de profissionais no Hospital da Cruz Vermelha, de cuja comissão executiva é presidente.

Portugal registou hoje 214 mortes relacionadas com a covid-19 e 6.132 casos de infeção com o novo coronavirus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Estão internadas em Portugal 6.158 pessoas com a doença, menos 254 do que sexta-feira, das quais 891 em unidades de cuidados intensivos, menos 13.

Os dados de hoje revelam ainda que 14.317 pessoas foram dadas como recuperadas, fazendo subir para 599.593 o número de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020. Hoje foi o sexto dia consecutivo em que o número de recuperados superou o de novas infeções.

Desde março de 2020, Portugal já registou 13.954 mortes associadas à covid-19 e 761.906 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 148.359 casos, menos 8.399 do que na sexta-feira.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • hugo silva
    06 fev, 2021 portalegre 22:35
    E irem dormir? Os tipos que fizeram comícios sem máscaras ou distanciamento? Chega de chega!

Destaques V+