Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Portugal tem 8,5% de jovens que não estudam nem trabalham

21 nov, 2023 - 20:16 • Lusa

A incidência entre os 15 e os 19 anos é menor devido à redução do abandono escolar precoce, explicou o secretário de Estado do Trabalho.

A+ / A-

Portugal tem 8,5% de jovens que não estudam, não trabalham e não estão a frequentar uma ação de formação, conhecidos como "jovens Neet", revelou esta terça-feira à Lusa o secretário de Estado do Trabalho.

"Neste momento estamos com 8,5% de jovens entre os 15 e os 29 anos classificados como "jovens Neet", jovens que não trabalham, não estudam, nem frequentam qualquer ação de formação e, portanto, estão numa situação de não-ocupação", disse Miguel Fontes, no final da conferência internacional "Trabalhar em conjunto para oferecer um futuro melhor para os jovens no Mediterrâneo", em Matosinhos, no distrito do Porto.

O número de "jovens Neet" diminuiu de forma significativa, depois de em 2015 se situar nos 13,2%, adiantou Miguel Fontes, acrescentando que de entre as faixas etárias dos "jovens Neet", entre os 15 e os 29 anos, a dos 25 aos 29 anos é a que tem maior percentagem.

A incidência entre os 15 e os 19 anos é menor devido à redução do abandono escolar precoce, explicou.

Miguel Fontes revelou ainda que os jovens que integram este grupo têm, na sua maioria, baixas qualificações fruto de sucessivas exclusões sociais e do abandono precoce do sistema educativo e formativo, o que gera dificuldades em ingressar no mercado de trabalho.

"Na sua esmagadora maioria, são jovens profundamente marcados por situações de exclusão social e vulnerabilidade económica", reforçou.

O governante explicou que motivar os "jovens Neet" para o sistema da formação e da educação e para o mercado de trabalho é muito difícil, sendo o primeiro desafio saber quem são, onde estão e como é possível fazer a sua aproximação.

O secretário de Estado disse que o que o governo tem feito é procurar mobilizar respostas, designadamente estágios profissionais para facilitar a transição do mundo da educação para o mundo profissional e do apoio à contratação com programas que estimulam e apoiam o tecido empresarial a contratar, sublinhou.

"Temos procurado encontrar respostas que sejam socialmente inovadoras, lançamos uma iniciativa a que demos o nome de incubadoras sociais de emprego para ajudar um conjunto de entidades que estão no terreno a desenvolver uma metodologia, uma metodologia já testada em Espanha, para podermos trabalhar de uma forma mais assertiva com este segmento da população jovem", disse.

O fundamental é mobilizá-los para um futuro que seja mais inclusivo, garantindo que não há inadequação entre os perfis destes jovens e as suas aspirações, mas também entre as necessidades económicas e sociais do país, sublinhou Miguel Fontes.

Dizendo que esta é uma preocupação partilhada pelos países europeus, o secretário de Estado disse que a meta europeia era de até 2030 ter um número de "jovens Neet" não superior a 9%, destacando o facto de Portugal estar já abaixo dessa meta.

"Tínhamos traçado esta meta em conjunto com os demais países europeus de até 2030 chegarmos aos 9% e, como já atingimos, evidentemente que isso não nos deve resignar ou deixar-nos auto-satisfeitos com este resultado", concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    22 nov, 2023 Lisboa 15:15
    Mas na televisão dizem que há pleno emprego... Só se for onde o sol não brilha...

Destaques V+