Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

FENPROF diz que "é revoltante" a posição do PS após chumbo para a recuperação do tempo de serviço

05 out, 2023 - 00:57 • Marisa Gonçalves com Lusa

Mário Nogueira garante não desistir da reivindicação e diz aguardar pela proposta de Orçamento de Estado para encetar novas formas de luta. FENPROF revela que há ainda 60 mil alunos que não têm horário completo devido à falta de professores.

A+ / A-

O Partido Socialista (PS) chumbou, esta quarta-feira, todas as iniciativas legislativas que propunham a recuperação faseada do tempo de serviço de professores, uma das principais reivindicações dos docentes.

No parlamento, o projeto de lei do Bloco de Esquerda (BE), que previa a recuperação faseada, até 2026, do tempo de serviço por contabilizar, contou com o apoio do BE, Chega, PCP, PAN e Livre e abstenção do PSD e Iniciativa Liberal, mas acabou chumbada com o voto contra do PS.

Em reação, Mário Nogueira, secretário-geral da FENPROF (Federação Nacional de Professores), lamenta a decisão do PS e diz ser mais um motivo que leva à desistência da profissão.

"É absolutamente revoltante que o Partido Socialista tenha a posição que tem. É ainda mais revoltante quando vemos colegas nossos que, se estivessem na escola com o salário de professores, eram prejudicados como são os professores que ganham o seu salário pelas escolas. Mas, como estão no parlamento e provavelmente lhes interessa aí permanecerem, eles acham que já não são bem professores e têm de estar ao serviço do aparelho que os elege. É por essas e por outras que hoje, cada vez mais, faltam professores nas escolas", sustenta à Renascença.

Sobre a abstenção de social-democratas e liberais, Mário Nogueira diz que não fica surpreendido.

"O PSD apresentou uma proposta há dias, mas também é verdade que o PSD em 2019 esteve de acordo com os outros partidos, no sentido de poderem recuperar o tempo de serviço e, quando chegou à sessão plenária da Assembleia da República, na sequência das ameaças do Dr. António Costa da demissão do Governo, o PSD deu o dito pelo não dito e votou contra. Portanto, é sempre uma situação muito cómoda, a da abstenção", conclui.

Docentes regressam à contestação

Esta sexta-feira, dia 06 de outubro, os professores e educadores voltam à greve. A paralisação foi anunciada pela plataforma de nove organizações sindicais de professores, que incluem as federações nacionais dos Professores e da Educação (Fenprof e FNE), e realiza-se em vésperas da apresentação da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2024.

"Em função daquilo que o documento trouxer, vamos ver as lutas que iremos desenvolver. Com uma certeza, aquilo que mais desejamos é que o Orçamento dê resposta aos problemas. Eu diria que a haver mais greves, manifestações ou outras ações, neste ano letivo, está menos na mão dos professores e da FENPROF e muito mais na mãos dos governantes. Vamos ver o que eles querem", assevera.

Também nestas declarações à Renascença, o líder da FENPROF garante que, nesta altura, cerca de três semanas após o início de aulas, há ainda 60 mil alunos que não têm professores a todas as disciplinas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+