Tempo
|
A+ / A-

Virologista: JMJ representa “risco baixo para surto” de monkeypox e covid

23 jul, 2023 - 18:33 • Maria João Costa , João Carlos Malta

O virologista Paulo Paixão não rejeita o cenário de aumento de casos de monkeypox e de covid num contexto de um evento em que se esperam um milhão de pessoas, mas considera que a gravidade do que poderá acontecer não é alta.

A+ / A-

Portugal soube este fim-de-semana que houve um novo surto de monkeypox no país com mais 37 casos. A pouco mais de uma semana da Jornada Mundial da Juventude, em que são esperados um milhão de visitantes no país, o virologista Paulo Paixão considera há um "risco baixo" de um grande surto.

“Penso que risco é baixo por uma questão simples, obriga a um contato estreito com comportamentos de risco. Não é de esperar que os jovens que venham, tenham comportamentos de risco”, começa por analisar.

“Mas também é verdade que a transmissão não se faz só com comportamentos de risco. As pessoas que não estão infetadas em contato com as pessoas infetadas podem ficar com a doença, mas a probabilidade é baixa”, refere.

No entanto, o especialista alerta que num evento com mais de milhão de pessoas seguramente as pessoas vão estar perto umas das outras “e se houver um ou outro caso positivo poderá haver transmissão”.

Paulo Paixão pede a todos os que tenham febre ou uma situação de saúde não esclarecida para contatarem um profissional de saúde.

“Se isso acontecer a pessoa deve ser isolada e há ainda que recorrer a vacinação”, afirma.

Em relação ao surto que foi conhecido este fim-de-semana de monkeypox, Paixão considera que o mesmo não é uma surpresa porque o Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças já anteriormente alertava para 12 casos em Portugal, quando no resto da Europa não havia mais do que um caso por país.

Covid também não preocupa

Em relação à covid-19, o virologista diz que “todos os dias há casos em Portugal”, mas em reduzida quantidade.

Também neste caso acha “pouco provável” que haja uma explosão dos números da doença, mas pode haver “pequenos surtos” devido mais uma vez ao “grande aglomerado de pessoas”.

“Mas não podemos dramatizar atendendo a que se trata de uma população jovem, as pessoas estão vacinadas ou tiveram contato [com o vírus]. As consequências não se podem minimamente comparar com o passado”, analisa o virologista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+