Tempo
|

35,46%
47 Deputados
25,31%
29 Deputados
9,02%
7 Deputados
6,35%
3 Deputados
3,99%
1 Deputados
3,09%
1 Deputados
1,38%
0 Deputados
1,25%
0 Deputados
1,11%
0 Deputados
5,15%
5 Deputados
  • Freguesias apuradas: 2507 de 3092
  • Abstenção: 45,04%
  • Votos Nulos: 5,43%
  • Votos em Branco: 2,47%

Total esquerda: 57Mandatos
Pan: 1Mandatos
Total direita: 35Mandatos
A+ / A-

Covid-19. 500 mil vacinas seguem para os PALOP e Timor-Leste

14 ago, 2021 - 16:18 • Lusa

O vice-almirante Gouveia e Melo disse este sábado que nenhuma vacina se irá desperdiçar. Em causa está a proximidade do fim da validade de cerca de 500 mil vacinas da Astrazeneca.

A+ / A-

Veja também:


A "task-force" garantiu neste sábado que "não serão desperdiçadas" as 500 mil vacinas contra a Covid-19 que expiram em outubro, estando programada a doação a outros países, tal como já aconteceu com mais de 200 mil doses.

"Não serão desperdiçadas vacinas nenhumas", garantiu o vice-almirante Gouveia e Melo à margem da visita ao Centro de Vacinação de Loures, onde neste sábado começaram a ser vacinados alguns dos mais de 160 mil jovens de 16 e 17 anos que se inscreveram para este fim de semana.

Em causa está a proximidade do fim da validade de cerca de 500 mil vacinas da Astrazeneca que o responsável da "task-force" explicou que vão seguir em breve para Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e para Timor-Leste. "Estamos a fazer a doação para que as vacinas sejam úteis a outros povos", tais como Angola, Moçambique, Cabo Verde ou Timor-Leste.

Portugal celebrou um protocolo que já permitiu o envio de "mais de 200 mil vacinas", disse Gouveia de Melo, defendendo que deveria haver uma "concertação a nível internacional", para que os países mais ricos pudessem ajudar os mais necessitados.

"Temos de decidir – e não apenas no nosso país, mas nos países mais avançados e com mais capacidade económica – se podemos ajudar os outros países com menos capacidade económica, porque o mundo bem precisa de solidariedade", defendeu.

O responsável pelo processo de vacinação em Portugal disse não gostar de "desperdiçar uma única vacina", admitindo que num processo logístico que envolve "milhões de doses" é normal perderem-se algumas: "parte-se um frasco ou há uma degradação da cadeia de frio".

Até ao momento, segundo números do vice-almirante, perderam-se pouco mais de 20 mil vacinas, o que é "estatisticamente bastante razoável" quando comparado com outros países.

"Claro que não fico contente por termos perdido vacinas, eu queria ter perdido zero", admitiu, recordando que a pandemia de Covid-19 obrigou a montar cerca de 300 centros de vacinação um pouco por todo o país para dar resposta ao programa de vacinação.

Os dados mais recentes mostram que 63,84% dos portugueses estão completamente vacinados contra a Covid-19 e mais de 70% recebeu pelo menos uma dose.

Neste fim de semana chegou a vez dos adolescentes de 16 e 17 anos: dos cerca de 200 mil jovens, inscreveram-se cerca de 160 mil, sendo que os centros de vacinação estão abertos para receber os restantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+