Tempo
|
A+ / A-

Fenprof diz que ministro da Educação "não tem condições para governar"

13 ago, 2021 - 11:35 • Lusa

Em causa está a "violação de lei" que obrigava a abrir o concurso para a vinculação dos docentes de ensino artístico e por isso vão recorrer aos tribunais. Fenprof vai recorrer aos tribunais.

A+ / A-

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) considera que o ministro da Educação "não tem condições para governar", por ter violado uma lei que obrigava a abrir o concurso para a vinculação dos docentes de ensino artístico e por isso vão recorrer aos tribunais.

A Fenprof diz ter expirado, na quinta-feira, o prazo legal para o ministério realizar o concurso de vinculação extraordinário de docentes das escolas de ensino artístico especializado.

"Ao não promover esse concurso, o Ministério da Educação violou uma lei aprovada por ampla maioria na Assembleia da República - só o PS votou contra; todos os outros grupos parlamentares, bem como os deputados individuais votaram favoravelmente", sublinha a estrutura.

Para a Fenprof "quem não cumpre a lei não reúne condições de governar. Se dúvidas ainda existissem, hoje confirma-se que os responsáveis do Ministério da Educação se colocam acima de tudo e de todos, incluindo das leis da República, sendo eles o principal obstáculo à existência de um clima de normalidade e tranquilidade nesta área".

A federação vê esta inação da tutela como um desrespeito para com "os professores, as suas organizações sindicais e as normas legais da contratação coletiva", assim como para com a "Assembleia da República, o que ultrapassa todo e qualquer limite daquele que deverá ser o comportamento dos governantes num Estado de direito democrático".

A Fenprof vai recorrer aos tribunais para "contestar esta ilegalidade" e para analisar com os docentes que seriam abrangidos pela integração a possibilidade de responsabilizarem civilmente o Estado pelos danos decorrentes da omissão legislativa.

Em comunicado, a estrutura representativa dos professores anuncia que vai dirigir-se à Assembleia da República e ao Presidente da República para "denunciar a violação da lei" e pedir que sejam tomadas medidas, assim como ao primeiro-ministro.

Em causa está a lei aprovada em julho - Lei n.º 46/2021 - que prevê ainda um outro prazo, que expira no final deste mês, no sentido de ser negociado um regime específico de seleção e recrutamento de docentes do ensino artístico especializado, para o exercício de funções nas áreas das artes visuais e dos audiovisuais, no quadro da regulamentação da própria lei.

A Fenprof acusa ainda o ME de continuar sem informar as escolas sobre quando poderão abrir os concursos para contratação de docentes, "mesmo que, erradamente, na qualidade de técnicos, incluindo por via da renovação".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+