Tempo
|

35,42%
47 Deputados
25,24%
28 Deputados
9,05%
7 Deputados
6,37%
3 Deputados
4%
1 Deputados
3,09%
1 Deputados
1,38%
0 Deputados
1,25%
0 Deputados
1,11%
0 Deputados
5,15%
5 Deputados
  • Freguesias apuradas: 2495 de 3092
  • Abstenção: 45,06%
  • Votos Nulos: 5,44%
  • Votos em Branco: 2,48%

Total esquerda: 57Mandatos
Pan: 1Mandatos
Total direita: 34Mandatos
A+ / A-

Caso Ihor Homenyuk

Ex-diretor de fronteiras do SEF demitido da função pública por omissão de factos sobre morte de Ihor Homenyuk

13 ago, 2021 - 07:44 • Sofia Freitas Moreira com Redação

O ex-diretor exerceu o cargo entre agosto de 2018 a 30 de março de 2020.

A+ / A-

Foi demitido da função pública o ex-diretor de fronteiras de Lisboa, do SEF, na sequência da morte do cidadão ucraniano no aeroporto de Lisboa.

De acordo com o jornal Público, o Ministério da Administração Interna considera que António Sérgio Henriques omitiu, deliberadamente, factos relevantes sobre a morte de Ihor Homenyuk e a Inspeção Geral da Administração Interna entendeu que essa omissão permitiu o encobrimento do crime.

O ex-diretor já tinha sido demitido do cargo em março do ano passado, pelo MAI, aguardando-se pela pena proposta pela IGAI, que foi a de expulsá-lo do cargo e, também, da função pública.

O ex-diretor exerceu o cargo entre agosto de 2018 a 30 de março de 2020.

O MAI considera não existirem, “sem margem para dúvidas”, as “mínimas condições, ainda que mínimas” para que Henriques possa permanecer a exercer funções.

De acordo com o despacho e com o Ministério, existiu violação dos deveres gerais de prossecução do interesse público, de imparcialidade, de zelo, de lealdade e de dever de correção. Devido ao elevado nível de responsabilidade do cargo que exercia, a sua atuação tornou evidente para o MAI que o seu vínculo era “inaceitável”.

Durante o julgamento, o ex-diretor de fronteiras de Lisboa confirmou que o relatório de ocorrência que lhe chegou às mãos, no dia a seguir à morte de Ihor, não estava totalmente preenchido. Pediu aos inspetores que o preenchessem, mas não o fizeram na sua presença.

O processo da IGAI, do ano passado, concluiu que o relatório foi completado depois da morte do cidadão ucraniano, “o que demonstra, inequivocamente, que as mesmas não foram inscritas pelos respetivos intervenientes, mas coligidas, por forma a dar consistência à versão da causa de morte natural”.

Para além dos três inspetores condenados em maio, o Ministério Público constituiu, há cerca de uma semana, cinco novos arguidos pelo crime de omissão de auxílio ao cidadão.

De acordo com o que o Público noticiou na altura, os arguidos serão seguranças da empresa Prestibel e "são suspeitos numa investigação que está em segredo de justiça e que decorre do despacho de acusação feito a 30 de setembro do ano passado contra os três inspetores do SEF".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+