Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Falhas na vacinação no Queimódromo do Porto "não representam perigo", garante Gouveia e Melo

12 ago, 2021 - 12:03 • Ana Carrilho , Sofia Freitas Moreira

A vacinação neste centro foi suspensa devido a uma avaria nos frigoríficos. O coordenador da "task force" admite que “o que poderá acontecer é que a vacina venha a ser considerada nula e obrigue a nova toma”.

A+ / A-

Veja também:


Não há qualquer perigo para a saúde das pessoas que foram vacinadas nos últimos dias 9 e 10 de agosto, no Queimódromo do Porto, garante o coordenador da "task force".

A vacinação neste centro foi suspensa devido a uma avaria nos frigoríficos, mas Gouveia e Melo diz que “o que poderá acontecer é que a vacina venha a ser considerada nula e obrigue a nova toma”.

“É uma questão que ainda será avaliada por um protocolo”, disse o coordenador no final da visita ao Centro de Vacinação do Cerco, no Porto, esta quinta-feira de manhã.

“Eventualmente, as vacinas, apesar de terem fugido ao período de temperatura em que deviam estar guardadas, podem continuar ativas e é isso que tem de ser verificado.”

De acordo com o vice-almirante, o processo de readaptação após a deteção do problema está a decorrer com sucesso.

“Perdemos uma capacidade, num espaço específico, de poder vacinar, mas graças a Deus, temos outras capacidades que podem responder imediatamente e foi o que fizemos. Rapidamente conseguimos reconfigurar a operação para superar o problema”, sublinhou em declarações.

O coordenador da vacinação no país continua a ter como meta a vacinação de pelo menos 85% da população portuguesa - uma forma de também proteger os mais novos.

“Queremos vacinar pelo menos entre 85% a 90% da população portuguesa para ter a certeza absoluta de que conseguimos dominar este vírus e retornar às nossas vidas normais. Através de uma imunidade de grupo, que é reduzida, mas uma imunidade de grupo, ainda assim, conseguia proteger a outra faixa que não vai ser vacinada, que são as crianças mais novas”.

Quanto aos pais que manifestam algumas dúvidas em que os filhos adolescentes (entre os 12 e os 15 anos) sejam vacinados, deixa o conselho que considera mais racional: “vacinem-se porque a vacina é estável e segura. Os jovens vão receber a vacina da Pfizer.”

O vice-almirante Gouveia e Melo foi ainda questionado sobre o caso da vacinação de pessoas mais jovens em Lisboa, no Altice, em julho, comparando-o com o caso da vacinação feita no Centro do Cerco, em junho, e que levaria à demissão da diretora da ACES.

Para o coordenador, são casos e circunstâncias completamente diferentes. Em Lisboa, o processo não decorreu à margem da organização.

Ainda assim, Gouveia e Melo fez questão de elogiar a atitude da ex-diretora do ACES, Dulce Pinto, que pediu a sua demissão na sequência do caso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+