Tempo
|

35,42%
47 Deputados
25,24%
28 Deputados
9,05%
7 Deputados
6,37%
3 Deputados
4%
1 Deputados
3,09%
1 Deputados
1,38%
0 Deputados
1,25%
0 Deputados
1,11%
0 Deputados
5,15%
5 Deputados
  • Freguesias apuradas: 2495 de 3092
  • Abstenção: 45,06%
  • Votos Nulos: 5,44%
  • Votos em Branco: 2,48%

Total esquerda: 57Mandatos
Pan: 1Mandatos
Total direita: 34Mandatos
A+ / A-

Morte de Otelo vista de Madrid

"Portugal convive melhor com o 25 de Abril do que com os capitães que o tornaram possível", escreve o jornal "El País"

04 ago, 2021 - 15:13 • João Carlos Malta

Diário espanhol escreve sobre como a morte de Otelo Saraiva de Carvalho pôs o país a pensar sobre a forma como olha para os militares que fizeram a revolução de abril.

A+ / A-

"Portugal convive melhor com a Revolução dos Cravos do que com os capitães que a tornaram possível", escreve o jornal "El País", na edição online.

O artigo tem como ponto de partida a morte de Otelo Saraiva de Carvalho, a 25 de julho, ele que foi o estratega da ação militar que a 25 de abril de 1974 pôs fim a uma ditadura de 48 anos.

O jornal espanhol, com sede em Madrid, diz que o desaparecimento de Otelo alimentou o debate sobre o tipo de reconhecimento oficial dos militares que possibilitaram a chegada da democracia a Portugal e a independência das ex-colónias africanas.

O "El País" escreve ainda que Otelo Saraiva de Carvalho "despertou na hora da morte as mesmas paixões conflituosas que gerou em vida". O períodico espanhol reconhece que quase ninguém contesta o papel do militar no sucesso na revolução de 1974, mas refere que alguns dos episódios seguintes da vida do capitão de abril são alvo de forte controvérsia, especialmente a participação no grupo terrorista FP-25 − que causou 17 mortes e foi responsável por 108 roubos nos sete anos de existência (1980-1987 )

Otelo foi condenado a 15 anos por envolvimento na organização e posteriormente anistiado pelo Parlamento.

O peso simbólico da Revolução dos Cravos, segundo a historiadora Maria Inácia Rezola, é enorme. Estima-se que cerca de 1.500 ruas e praças evoquem o dia 25 de abril. "A ponte sobre o rio Tejo destaca-se pelo seu simbolismo, que mudou do nome do ditador Salazar para a data histórica em que terminou com o seu legado. A rebelião é muito evocada, mas os rebeldes menos", considera.

“O dia 25 de abril foi uma ação coletiva e muitos estiveram envolvidos na preparação e execução do golpe que derrubou a ditadura. É muito difícil homenagear ou preservar a memória dos protagonistas sem correr o risco de ser injusto e esquecer atores importantes ”, indica Rezola em respostas por e-mail ao "El País".

Já Vasco Lourenço faz uma distinção entre reconhecimento popular e o reconhecimento institucional. “O povo português expressa-nos o seu apreço de forma permanente, até o notamos na rua. As instituições têm duas atitudes distintas: formalmente mostram muito apreço, mas isso materializa-se em muito pouco ”, afirma o presidente da Associação 25 de abril.

No mesmo artigo recorda-se ainda que em 1988, o Governo de Aníbal Cavaco Silva bloqueou a concessão de pensões aos militares de abril, algo que concederia alguns anos mais tarde a dois inspectores da PIDE.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+