Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​“Não é qualquer adolescente que pode ser vacinado”, conclui Ordem dos Médicos

04 ago, 2021 - 11:59 • Paula Caeiro Varela , Cristina Nascimento

Médicos têm de apresentar um quadro clínico do jovem que justifique a sua vacinação prioritária.

A+ / A-

Veja também:


O bastonário da Ordem dos Médicos conclui que, afinal, a vacinação dos jovens entre os 12 e os 15 anos não é para quem quiser.

“Já não é qualquer adolescente que pode ser vacinado. Na prática, um jovem saudável, nesta decisão da Direção-Geral da Saúde, não pode ser vacinado por agora”, é esta a interpretação de Miguel Guimarães depois de ler norma da DGS sobre as doenças prioritárias para a vacinação Covid desta faixa etária.

O documento aponta o cancro ativo, diabetes, obesidade e insuficiência renal crónica como algumas das doenças que justificam a vacinação prioritária, mas pode haver outras, adianta o bastonário.

“O médico pode referenciar um adolescente que tenha uma morbilidade diferente daquelas que estão assinaladas, desde que fundamente a sua posição e dá como exemplos algumas de outras morbilidades que não são tão frequentes nos adolescentes que existiam nos adultos e também foram considerados na altura prioritários para os adultos”, explica.

Nestas declarações à Renascença, Miguel Guimarães diz acreditar, contudo, que o critério vai acabar ser alargado mais tarde a todos os adolescentes, permitindo a vacinação universal.

Segundo a “task force”, a vacinação dos jovens dos 14 e 15 anos está prevista para o fim de semana de 21 e 22 de agosto; e a dos 12 aos 13 anos para o último fim de semana do mês, dias 28 e 29. Quanto aos menores de 16 e 17 anos já podem autoagendar a sua vacina.

Na sexta-feira passada, a diretora-Geral da Saúde anunciava a decisão das autoridades de saúde sobre este assunto, assegurando que ascrianças entre os 12 e os 15 anos, nesta altura, seriam vacinados por indicação médica, mas no fim de semana o Presidente da República dava a entender que todas as crianças poderiam ser vacinadas, caso os pais assim o entendessem.

A vacinação universal continua, para já, a ser apenas recomendada a partir dos 16 anos, seguindo o plano de vacinação em curso.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.397 pessoas e foram registados 974.203 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    04 ago, 2021 Coimbra 12:10
    A DGS e o INFARMED são duas entidades de saúde, que tem uma cambada de peritos da tanga, que só estão a chular o país. Estas duas entidades devem ser motivo de chacota, nas congéneres da Europa. Pois estes peritos da tanga remam em sentido contrário dos restantes países. É UMA VERGONHA E SÃO UM PERIGO PARA A SAÚDE DOS PORTUGUESES!

Destaques V+