Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19. Ordem dos Médicos diz que decisão sobre vacinação de adolescentes "cria desigualdades"

02 ago, 2021 - 14:44 • Hélio Carvalho

Em comunicado, o organismo salienta que a comunicação da DGS foi contraditória e pede revisão da medida para esclarecer os portugueses.

A+ / A-

Veja também:


A Ordem dos Médicos criticou esta segunda-feira a decisão da Direção-Geral de Saúde (DGS), de autorizar apenas a vacinação de adolescentes entre os 12 e os 15 anos com comorbilidades ou com justificação médica, dependendo sempre da vontade dos pais.

Em comunicado, a Ordem disse que a comunicação da DGS foi contraditória, por numa fase inicial ter sido dito que "a norma começa por limitar o acesso à vacina contra a Covid-19 (...), justificando-se que para um eventual alargamento será necessária mais evidência científica", mas, mais tarde, a DGS refere que "desde que haja indicação médica, qualquer adolescente poderá ter acesso à vacina".

"Ou seja, já não interessa a evidência científica", concluiu a Ordem.

O organismo profissional, liderado por Miguel Guimarães, salienta ainda que a medida "cria desigualdades entre as famílias que conseguirão ter acesso a essa mesma prescrição e as que não terão, sobretudo numa altura em que o acesso à saúde tem estado muito condicionado".

A Ordem pede também uma "rápida revisão desta norma, no sentido de esclarecer a mesma e reforçar a confiança na evidência científica e na ampla experiência já existente".

"Neste primeiro dia da semana, já chegaram à Ordem dos Médicos relatos de aumento de contactos com os centros de saúde de pessoas interessadas em vacinar os filhos nestas idades", nota a entidade.

E, sobre os profissionais de saúde em si, a Ordem dos Médicos acrescenta que há confusão entre quem tem de vacinar os jovens, "com alguns especialistas a saudarem a norma, mas a virem, mais tarde, criticar este acesso condicionado".

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, anunciou a decisão sobre a vacinação dos jovens entre os 12 e os 15 anos, depois do primeiro-ministro ter pressionado a DGS para autorizar o processo, de modo a acelerar a vacinação em Portugal.

O Presidente da República veio adicionar alguma confusão, ao dizer que a vacinação a jovens sem comorbilidades não estava proibida e que "esse espaço continua aberto à livre escolha dos pais".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+