Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Esperar por outubro? Associação defende retoma das discotecas já a partir de domingo

29 jul, 2021 - 23:15 • José Carlos Silva (entrevista) , André Rodrigues (texto)

O Governo decidiu que, afinal, os bares podem voltar a abrir a partir de 1 de agosto, cumprindo as regras que estão em vigor para a restauração. Associação Nacional de Discotecas entende que a medida é replicável nas discotecas, sobretudo as que dispõem de espaços ao ar livre.

A+ / A-

Veja também:


A Associação Nacional de Discotecas (AND) saúda a decisão do Governo de aplicar aos bares as mesmas regras em vigor para aceder à restauração.

Já após a conferência de imprensa, em que o primeiro-ministro, remeteu a reabertura destes espaços para outubro, quando se estima que mais de 85% da população esteja vacinada, o Governo retificou a informação avançada por António Costa e anunciou, afinal, os bares e estabelecimentos de bebidas também estão autorizados a abrir as portas já a partir do próximo domingo, 1 de agosto, seguindo as mesmas regras que vigoram para os restaurantes (certificado digital válido ou teste negativo).

Em declarações à Renascença, o presidente da AND diz-se satisfeito com a emenda introduzida pelo executivo e admite que ainda há "algum tempo para pensar se não fará sentido, também, abrirmos as discotecas com espaços ao ar livre".

No Conselho de Ministros desta quinta-feira, o Executivo admitiu que a reabertura das discotecas só será possível em outubro.

Mas, para este responsável, a reabertura de discotecas, já a partir de 1 de agosto, poderia ser "a resolução para muitos problemas, nomeadamente, para os eventos ilegais que se têm realizado de norte a sul do país, que são espaços onde jovens se divertem de forma descontrolada".

No entanto, para que possam funcionar, os bares têm de cumprir as regras que são aplicadas à restauração, nomeadamente no que diz respeito aos limites de lotação e de ocupação dos espaços.

"Estamos a falar de uma questão de metros quadrados. Se podemos usar a metodologia da restauração nos bares, também podemos usá-la nas discotecas", nem como a manutenção do "uso da máscara e do certificado aos fins de semana", refere José Gouveia.

"Tudo isso é aplicável", acrescenta o presidente da AND, que diz, ainda, não ver razões para que, por razões sanitárias, os bares possam abrir, mas as discotecas se mantenham impedidas de o fazer.

"Os operadores já tinham concordado com a abolição da pista de dança. Aquilo que queremos é criar espaço onde a pista de dança é substituída por mesas e, pelo menos, numa primeira fase, os espaços de discotecas 'open air' deveriam, também, reabrir", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+