Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Diretor de medicina intensiva do S. João defende aceleração da vacinação de jovens

22 jul, 2021 - 18:57 • Lusa

Especialista José Artur Paiva em linha com as intenções do Governo, que quer vacinar crianças com mais de 12 anos até setembro.

A+ / A-

Veja também:


O diretor de serviço de medicina intensiva do Hospital de São João, Porto, defende a aceleração da vacinação de jovens e adolescentes "idealmente antes do início do ano letivo", medida acompanhada da manutenção de cuidados individuais de proteção.

"A partir do momento em que há sistema imunológico maduro, seria vantajoso, para o conceito de benefício sanitário global, a vacinação desse grupo [jovens e adolescentes] idealmente antes do início do ano letivo. Acho que é uma perda de oportunidade extraordinária se não acontecer", disse José Artur Paiva.

Em entrevista à agência Lusa, o médico, que pertence à Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a covid-19, não se quis "atrever" a apontar uma idade para início de vacinação por não ser, frisou, "nem pediatra, nem imunoalergologista", mas aconselhou uma "consensualização" entre estas duas especialidades, "a bem da proteção global da sociedade".

"Temos de pesar isso com dados do sistema imunológico dos jovens. Tem de haver um trabalho de consensualização entre a visão dos pediatras e a dos imunoalergologistas", defendeu.

Defensor da ideia de que com a variante delta, "só é expectável atingir a imunidade de grupo com 85 a 90% da população portuguesa vacinada", José Artur Paiva lembrou que Portugal tem "quase dois milhões de crianças e adolescentes", uma população onde a transmissibilidade aumenta por fatores de sociabilização.

"É muito mais fácil fazer o isolamento profilático de um adulto ou de um idoso do que de uma criança, pelo que dentro do conceito da aquisição da imunidade de grupo era uma excelente ideia termos essa população vacinada até antes do ano escolar próximo", sublinhou.

"E novas variantes vão existir sempre", acrescentou.

Lembrando que decisões semelhantes "já foram tomadas em vários países europeus", José Artur Paiva apontou a aceleração do processo de vacinação como uma das duas ferramentas "fundamentais" de combate à pandemia do novo coronavírus e acrescentou a manutenção de cuidados de proteção individual.

"Para mim é claro que, até esse trajeto de aceleração vacinal concentrada estar concluído, devemos manter as medidas de proteção individual e de sociabilização (...). É o momento errado de reduzir isto. Pode ter consequências e dá uma comunicação distónica da que devemos ter", defendeu.

O "isto" a que José Artur Paiva se refere são medidas como higiene das mãos, uso de máscara, distância de pelo menos dois metros, evitar aglomerados e bom arejamento de espaços.

O especialista lamentou que se confunda a necessidade de manutenção de medidas com confinamento ou falta de liberdade, afirmando que "confinar de novo, algo que ninguém deseja, até seria estrategicamente uma má ideia e uma ideia não implementável", porque "a sociedade não consegue confinar novamente".


Também crítico de anúncios que se assemelham ao decretar de um "freedom day", em português "dia da liberdade", José Artur Paiva admitiu que "a ausência de uma política europeia para o "end game" [fim do jogo] da pandemia é algo que "claramente" o "preocupa".

"A ideia de um "freedom day" [dia da liberdade] não é uma boa ideia. O lado positivo dessa conversa é a sociedade discutir o "end game" da pandemia. Acho um bom sinal, um sinal de maturidade e de esperança da sociedade (...), mas essa discussão devia ser feita à escala europeia (...). Não faz sentido que uns países estejam a abrir totalmente e outros ainda a fechar um pouco. Não penso que seja muito boa ideia cada país decretar um "freedom day"", considerou.

À Lusa, o diretor de um serviço que cerca das 12:00 de hoje acolhia 15 doentes covid-19 em cuidados intensivos, dois deles com idades inferiores a 30 anos, e 45 doentes não covid, num total de 66 camas, frisou a ideia de que a pandemia não se ganha nas unidades críticas, mas na rua.

"Não é nos cuidados intensivos que ganhamos a guerra. Ganhamos a guerra na população, na transmissão viral", concluiu.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.128.543 mortos em todo o mundo, entre mais de 191,9 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, enquanto em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.248 pessoas e foram registados 943.244 casos de infeção.

Hoje no Hospital de São João, no Porto, estavam internadas 48 pessoas infetadas com o novo coronavírus.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+