Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Groundforce diz que greve cancelou 300 voos e desafia TAP a pagar "o que é devido"

17 jul, 2021 - 21:08 • Lusa

De acordo com a Groundforce, até às 18h30 de hoje, a greve levou ao cancelamento de mais de 300 de voos, com a operação em Lisboa, onde 79,3% dos trabalhadores aderiram à paralisação, a ser a mais afetada, com o cancelamento de 226 voos.

A+ / A-

A Groundforce avançou que a greve deste sábado dos seus trabalhadores levou ao cancelamento de mais de 300 voos e desafiou a TAP a pagar à empresa "o que lhe é devido pelos serviços prestados".

"A Groundforce não é indiferente aos transtornos causados por esta greve e reitera que bastaria que a TAP pagasse o valor em dívida pelos serviços já prestados pela Groundforce para que os salários fossem regularizados", adiantou a empresa de 'handling' em comunicado.

"Quem está na condição de devedor é a TAP, que, no total, deve já 12 milhões de euros de faturação emitida", adiantou ainda a Groundforce, que garantiu que, na manhã deste sábado, enviou uma carta à transportadora aérea "dando o seu acordo para que a transferência de cinco milhões de euros fosse feita, a título de adiantamento, e a greve suspensa".

"A Groundforce aceitou todas as condições impostas pela TAP, exceto reconhecer o valor como um "crédito", razão pela qual a TAP rejeitou a proposta", referiu a companhia que presta apoio em terra à aviação em vários aeroportos nacionais.

Antecipando que os aeroportos portugueses vão voltar a sofrer domingo constrangimentos devido à greve, a Groundforce apelou à TAP para que "coloque os interesses do país à frente dos seus e que pague" pelos serviços prestados nos aeroportos nacionais.

De acordo com a Groundforce, até às 18h30 de hoje, a greve levou ao cancelamento de mais de 300 de voos, com a operação em Lisboa, onde 79,3% dos trabalhadores aderiram à paralisação, a ser a mais afetada, com o cancelamento de 226 voos.

O aeroporto do Porto registou uma adesão de 45% e um total de 68 voos cancelados, de acordo com os dados divulgados pela empresa, enquanto, em Faro, a adesão foi de 11,5%, com o cancelamento de sete voos.

No Funchal foram cancelados três voos, em resultado da adesão de 15,8% dos trabalhadores, adiantou a Groundforce.

Hoje foi o primeiro dia da greve convocada pelo Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA), como protesto pela "situação de instabilidade insustentável, no que concerne ao pagamento pontual dos salários e outras componentes pecuniárias" que os trabalhadores da Groundforce enfrentam desde fevereiro de 2021.

A paralisação vai prolongar-se pelos dias 18 e 31 de julho, 1 e 2 de agosto, o que levou a ANA a alertar para constrangimentos nos aeroportos nacionais, cancelamentos e atrasos nos voos assistidos pela Groundforce, nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Porto Santo.

Além desta greve, desde o dia 15 de julho que os trabalhadores da Groundforce estão também a cumprir uma greve às horas extraordinárias, que se prolonga até às 24:00 do dia 31 de outubro de 2021.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    17 jul, 2021 PORTUGAL 21:12
    No dia OITO de Dezembro de 1974, por volta das DEZ HORAS, desci de um avião vindo de Luanda, Angola, apóster cumprido o serviço militar. Quando pisei o CHÃO de Figo Maduro, olhei o CÉU e disse " aí, nunca mais me apanhas ". Nunca mais entrei num avião. Depois de tudo quanto tenho VISTO, agora volto a dizer, ainda bem que disse não aos AVIÕES.

Destaques V+