Tempo
|
A+ / A-

Detidos suspeitos da morte do "Conde" de Guimarães

13 jul, 2021 - 16:03 • Lusa

A Polícia Judiciária deteve hoje dois homens. Crime aconteceu em janeiro do ano passado.

A+ / A-

A Polícia Judiciária deteve hoje dois homens, de 40 e 70 anos, suspeitos de terem matado um homem em janeiro do ano passado nas Caldas das Taipas, em Guimarães, distrito de Braga, anunciou aquela polícia.

A vítima é Fernando Ferreira, um empresário do ramo da eletricidade conhecido como o "Conde".

Segundo a PJ, no dia 8 de janeiro de 2020, a "vítima foi atraída às imediações da praia fluvial de Briteiros, nas Caldas das Taipas, onde foi agredida e atirada ao rio Ave, vindo o seu corpo a ser detetado, no dia 22 de janeiro, passados 14 dias, no canal fluvial do Parque da Ínsua, em S. Cláudio de Barco, Guimarães".

No comunicado, a PJ refere que "subjacente à prática deste crime estão suspeitas do envolvimento da vítima num crime de alegado furto em residência, ocorrido em meados de dezembro de 2019, de que um dos presumíveis autores teria sido ofendido".

Os detidos, de 40 e 70 anos, "sendo um cortador de carnes e o outro reformado, este último com antecedentes criminais pelos crimes de ofensas à integridade física e fraude fiscal, vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação", acrescenta a PJ.

Segundo a PJ, os dois homens são anda suspeitos do crime de furto qualificado.

Em 14 de janeiro do ano passado, fonte da GNR disse à Lusa que o Ministério Público estava a investigar o desaparecimento de um homem em Guimarães, tendo decorrido buscas no rio Ave.

O homem desaparecido residia em Creixomil, no concelho de Guimarães, e saiu de casa na noite de 8 de janeiro, de carro, alegadamente para visitar um cliente, e nunca mais foi visto.

O corpo do homem foi encontrado a boiar num rio na freguesia de Barco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+