Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Vítor Fernandes alvo de buscas. Chairman indicado para o Banco de Fomento fala em "ataque de carácter"

12 jul, 2021 - 15:42 • Redação

Além de Vítor Fernandes, também o presidente do Novo Banco e outros administradores foram alvos de buscas no âmbito da operação Cartão Vermelho, que investiga Luís Filipe Vieira.

A+ / A-

Vítor Fernandes, nomeado para o Banco de Fomento, e António Ramalho, presidente do Novo Banco, foram alvos de buscas no âmbito da operação Cartão Vermelho, em que é arguido o presidente autossuspenso do Benfica, Luís Filipe Vieira. A notícia foi confirmada esta segunda-feira pelo jornal Observador.

As buscas decorreram na quarta-feira, 7 de julho, sendo que nem Vítor Fernandes nem António Ramalho são arguidos no processo.

Vítor Fernandes, indicado pelo Governo para liderar o conselho de administração do Banco de Fomento que vai tratar das verbas da bazuca europeia, confirmou ao Observador as buscas domiciliárias e no Novo Banco.

O banqueiro diz que está a ser alvo de um “ataque de caráter” e garante que não tem qualquer ligação próxima com Luís Filipe Vieira.

“Estou a ser alvo de um ataque de carácter. Sou uma pessoa discreta, não sou suspeito de nenhum crime e estão a dar cabo da minha carreira por nada. É de uma revolta pessoal muito forte. A única coisa que está em causa é imputarem-me uma alegada relação privilegiada com o sr. Luís Filipe Vieira, o que é falso”, disse Vítor Fernandes ao Observador.

O gestor explica que recebeu “várias vezes”, mas essa era a sua “obrigação” como administrador do Novo Banco “que acompanhava o seu dossier e isso é normal”.

“Também o fiz com outros grandes devedores. Fazia parte das minhas funções”, sublinha.

Nas medidas de coação aplicadas ao presidente do Benfica, o juiz Carlos Alexandre determinou que Luís Filipe Vieira não pode contactar com Vítor Fernandes.

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, e outros gestores também foram visados nas buscas no âmbito da operação “Cartão Vermelho”.

Suspeito de lesar o Benfica e o Fundo de Resolução bancário, Luís Filipe Vieira foi detido na passada quarta-feira e, na sexta-feira, suspendeu funções como presidente do Benfica. A liderança do clube e da SAD foi assumida pelo antigo jogador e vice-presidente Rui Costa.

No sábado, foram conhecidas as medidas de coação aos quatro arguidos. O juiz Carlos Alexandre aceitou todos os pedidos do Ministério Público e decretou prisão domiciliária a Luís Filipe Vieira, até ao pagamento de uma caução de três milhões de euros no prazo de 20 dias.

Luís Filipe Vieira fica obrigado a entregar o passaporte, para evitar uma fuga do país, e não pode contactar os arguidos— à exceção do filho, Tiago Vieira —, além de elementos da direção e da administração do clube e qualquer administrador ou funcionário do Novo Banco, segundo deliberou o juiz Carlos Alexandre (leia aqui a decisão na íntegra).

O presidente do Benfica com mandato autossuspenso também não pode contactar Nuno Sérgio Durães Lopes, António Rodrigues de Sá, Vítor Manuel Dantas de Machado, Diogo Chalbert Santos e José Gouveia.

Luís Filipe Vieira também não pode falar com Vítor Fernandes, que foi nomeado pelo Governo para liderar o novo Banco de Fomento e que já passou pela Caixa Geral de Depósitos, BCP e Novo Banco.

José António dos Santos terá de pagar uma caução de dois milhões de euros para poder sair em liberdade. O "Rei dos Frangos" também terá de entregar o passaporte às autoridades e fica proibido de contactar os demais arguidos, além de Diogo Chalbert Santos, José Gouveia, Vítor Fernandes e qualquer administrador ou funcionário do Novo Banco.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    12 jul, 2021 Lisboa 16:35
    Desconhecem-se as relações deste sr. Vítor Fernandes com Luís Filipe Vieira. Sabe-se que estava na administração da Caixa Geral de Depósitos com Santos Ferreira e Armando Vara quando o sr. Berardo foi à CGD pedir empréstimos para comprar acções do BCP. Depois, transitaram todos para a administração do BCP. Mas isto tem que ver com o assunto do sr. Berardo. As entidades responsáveis, Banco de Portugal, etc., deverão aferir a sua idoneidade para presidir ao Banco de Fomento. O que pensar disto?

Destaques V+