Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Pandemia

“Foram realizadas mais três milhões de consultas” até maio, diz ministra

07 jul, 2021 - 11:12 • Marta Grosso com redação, Lusa

Marta Temido garante que o SNS está a recuperar a atividade assistencial. No Parlamento, a ministra diz ainda que já saíram mais de 230 médicos do Serviço Nacional de Saúde este ano.

A+ / A-

Veja também:


A ministra da Saúde fala em “números impressionantes” e garante que o Serviço Nacional de Saúde está a recuperar a atividade assistencial que tinha antes da pandemia de Covid-19, graças ao enorme esforço dos profissionais de saúde.

“Até maio de 2021, foram realizadas mais três milhões de consultas do que em idêntico período de 2020. E não se diga que estamos a comparar dois períodos que são muito distintos nas suas características – de facto, estamos – porque também relativamente ao idêntico período de 2019, o SNS, em termos de consultas médicas de cuidados de saúde primários, regista um acréscimo de 1,6 milhões de consultas”, referiu Marta Temido nesta quarta-feira no Parlamento, onde está a ser ouvida.

“Este esforço é composto, naturalmente, por consultas médicas presenciais e não presenciais”, acrescentou.

Perante os deputados, a ministra da Saúde indicou ainda os números das consultas de enfermagem, setor “onde foram feitas mais quatro milhões do que em período homólogo, e mais três milhões e 100 mil do que em 2019”.

Já no que se refere à atividade hospitalar, os números ainda estão longe do que acontecia antes da pandemia.

“Em relação à atividade hospitalar, este percurso de recuperação é também um resultado que se revela em mais de 7% de consultas médicas hospitalares feitas nos primeiros cinco meses deste ano face ao período homólogo, 785 mil consultas, e face ao período homólogo de 2019 uma redução de 2%”, afirmou.

“Relativamente à área das cirurgias, a mesma coisa: um acréscimo nos cinco primeiros meses deste ano, de 86 mil cirurgias face ao período homólogo de 2020 e uma redução de nove mil cirurgias face ao período homólogo de 2019”, adiantou.

No serviço de Urgência, Marta Temido ressalva a necessidade de levar em consideração o “comportamento distinto” de Portugal face a “outros países com os quais se compara e avança que existiu “uma redução de 11% relativamente a maio de 2020 e uma redução mais significativa face a maio de 2019”.

A ministra da Saúde está a ser ouvida no Parlamento no dia em que o Movimento "Saúde em Dia" lança uma petição a defender a necessidade de um plano de recuperação para os doentes não-Covid.

A petição é subscrita pela Ordem dos Médicos e pela Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, segundo os quais pouco foi feito até ao momento a favor dos doentes que ficaram para trás por causa da pandemia.

Alexandre Lourenço, da Associação de Administradores Hospitalares, receia mesmo que o crescimento de casos e a vacinação possam prejudicar de novo estes doentes.

SNS já perdeu 230 médicos este ano

Mais de 230 médicos do Serviço Nacional de Saúde aposentaram-se este ano até maio, dos quais 131 eram especialistas em medicina geral e familiar, revelou a ministra da Saúde.

Segundo Marta Temido, em 2019 aposentaram-se 409 médicos e no ano passado foram 653. Até maio deste ano, 231.

"É uma circunstância que é fruto do que são os direitos do trabalhadores, pelo decurso do seu exercício profissional", disse a ministra, sublinhando que o Governo tem trabalhado para inverter a situação, tentando abrir mais vagas e "garantindo que não há nenhum médico que queira ser contratado que fique por contratar".

A este propósito, disse ainda que, aproveitando o mecanismo que permite a contratação de médicos aposentados, estão hoje a trabalhar com o Serviço Nacional de Saúde mais 346 médicos aposentados.

Sobre os dados dos utentes sem médicos de família, a ministra sublinhou a duração do ciclo de formação destes profissionais de saúde e sublinhou: "a demografia médica reflete a demografia da sociedade em geral".

"Não é surpresa nenhuma este volume de aposentações, pois sabia-se que ia confluir para os anos que estamos a viver", afirmou.

Para contrariar a saída de médicos, a ministra apontou a aposta na abertura de mais vagas especializadas e para medicina geral e familiar: "É uma opção política, não é por acaso".

"Apesar de sabermos que não vamos, com muita probabilidade, reter todos os médicos [para as vagas do concurso que o Governo autorizou abrir no início do mês], como a taxa retenção nesta área é de 86%, se aplicarmos taxa semelhante aos 459 postos de trabalho abertos, iremos ficar com 395 médicos [medicina geral e familiar]", afirmou.

E acrescentou: "Se atribuirmos uma lista media de utentes de 1.650 a cada um, iríamos recuperar [e conseguir ter mais] 650 mil portugueses com médicos de família".

A este propósito, a ministra sublinhou que nos primeiros cinco meses do ano houve mais 75.000 inscritos no Serviço Nacional de Saúde.

Segundo revelou, o custo com encargos com pessoal nos primeiros cinco meses do ano cresceu 190 milhões de euros, dos quais 60 milhões representam encargos com remunerações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+