Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

"Está a emergir uma pandemia silenciosa" pela falta de acesso aos cuidados de saúde

07 jul, 2021 - 10:01 • Anabela Góis , Olímpia Mairos

Movimento Saúde em Dia lança, esta quarta-feira, uma petição em defesa dos utentes de saúde não Covid.

A+ / A-

Quebras nas consultas, exames e cirurgias vão continuar a aumentar devido à campanha de vacinação e ao aumento de casos de Covid-19. O alerta é da Associação de Administradores Hospitalares.

O Movimento Saúde em Dia, de que faz parte esta associação, lança, esta quarta-feira, uma petição que pede um plano de recuperação de doentes não Covid. Nessa ocasião também vai ser discutido o impacto da pandemia no Serviço Nacional de Saúde onde, no último ano, se registou uma quebra nas consultas médicas presenciais, bem como exames e cirurgias por realizar.

O presidente da Associação dos Administradores Hospitalares receia que o crescimento de casos e a vacinação possam prejudicar de novo os doentes não covid.

“Na prática, não aproveitamos esses momentos de menor atividade da Covid-19. É evidente que o aumento da atividade clínica, apesar de ser muito menor do que verificamos em janeiro passado, devido à questão da vacinação vai colocar alguma limitação nos hospitais e nos centros de saúde, até por causa do programa da vacinação”, refere Alexandre Lourenço.

Defende, por isso, que devem ser criadas medidas excecionais para os doentes não Covid. “A nossa expetativa é que deva existir um conjunto de medidas integradas de rede, em que sejam referidos mesmo alguns percursos públicos dos doentes, de forma a facilitar os acessos a cuidados de saúde.”

O presidente dos Administradores Hospitalares alerta ainda “que não se pode ter uma perspetiva de não existir uma alternativa, porque elas existem e existem formas diferentes de acompanhar estes doentes, mitigando os efeitos resultantes da pandemia”.

Neste contexto, Alexandre Lourenço defende que “tem que existir uma atenção para com esses doentes”.

“É evidente que eles não são acompanhados diariamente pelos media, não temos relatórios diários sobre a evolução deste tipo de condições de saúde. Agora, é importante acompanhá-los, também são portugueses e, na prática, estamos a falar de quase uma pandemia silenciosa que está a emergir em Portugal, pela falta de acompanhamento e falta de acesso aos cuidados de saúde.”

Neste momento, mais de um milhão de portugueses não tem médico de família.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo Anastacio
    08 jul, 2021 Leiria 08:31
    No entanto a narrativa do governo é ao contrário. Até a sra ministra foi premiada. Pobre povo, no qual eu me incluo, como é óbvio.

Destaques V+